Foi revelado em conferência de imprensa por advogados da Lufthansa que Andreas Lubitz, o co-piloto que supostamente terá provocado a queda do Airbus320 da Germanwings, esteve a receber tratamento psicoterapêutico e esteve inclusivamente internado por tendências suicidas antes de se ter tornado piloto. Foram descobertos documentos, que já estão na posse da companhia aérea Lufthansa, que indicam que Andreas, que até à data é o responsável pela tragédia da queda do avião nos Alpes, recebeu tratamento pelos seus problemas de psicológicos.

"Há alguns anos, antes de conseguir obter a sua licença de piloto, o co-piloto esteve em longo período de tratamento psicoterapêutico com tendências suicidas perceptíveis", disse o porta-voz dos advogados, Ralf Herrenbrück, em Düsseldorf, cidade onde habitava Andreas Lubitz e para onde o avião despenhado tinha o seu destino.

Publicidade
Publicidade

A Lufthansa tinha conhecimento do seu historial médico, como é obrigatório, e o co-piloto estava a ser acompanhado normalmente, segundo as normas da companhia.

Herrenbrück acrescenta que as autoridades não encontraram ainda nenhum motivo concreto que terá levado Lubitz a ter deliberadamente despenhado o avião. O que tem corrido nos meios de comunicação são as especulações e até agora os investigadores ainda não encontraram qualquer sinal de doença física.

De momento está muito mau tempo, o que está a dificultar o acesso do helicóptero ao local do acidente. As equipas de investigação estão inclusivamente a construir uma estrada para facilitar o acesso, pois actualmente têm que caminhar 45 minutos para o local através de um terreno difícil.

Desde o início da sua formação que Andreas Lubitz estava sob observação médica intensiva e não tinham sido detectadas pelos profissionais de saúde quaisquer sinais de tal comportamento, agressividade nem nenhum pormenor de doenças do foro psicológico.

Publicidade

Havia também comunicação dos médicos internos da Lufthansa com o médico particular de Andreas e nunca houve razões para serem movidos processos de investigação comportamental.