Supostos guerrilheiros do Boko Haram terão decapitado 23 pessoas num ataque à aldeia de Buratai, na Nigéria. As vítimas serão residentes e um político, segundo informação avançada por locais. Dezenas de terroristas invadiram a aldeia por volta das 23 horas locais de sexta-feira, quando a grande maioria dos residentes estava a dormir, e pegaram fogo às casas, encurralando as vítimas que tentavam fugir.

"Eles mataram as 23 pessoas como se fossem carneiros, decapitando-os. Feriram ainda várias pessoas", disse Ibrahim Adamu, político local, que conseguiu escapar aos atacantes. "Queimaram uma grande parte da aldeia e o nosso receio é que algumas pessoas tenham sido queimadas nas casas, pois a maioria das pessoas estaria nas suas camas quando fomos atacados", disse Adamu.

Publicidade
Publicidade

Um responsável médico do hospital de Biu, cidade vizinha, afirmou que 32 pessoas de Buratai foram hospitalizadas com ferimentos de bala e queimaduras. "Os feridos que tratámos aqui contaram-nos que viram várias pessoas na aldeia a serem decapitadas pelos terroristas", afirmou o médico.

Este é o segundo ataque do Boko Haram a Buratai no espaço de um ano. Em Setembro os terroristas islâmicos lançaram um ataque à aldeia mas foram repelidos por soldados, mobilizados para proteger a casa de um general do exército nigeriano. Na altura os soldados mataram 20 guerrilheiros.

Não é certo se este novo ataque terá sido uma represália à derrota sofrida no ataque de Setembro ou se estará relacionado com o processo das eleições gerais na Nigéria, que se iniciaram no sábado. O Boko Haram já tinha oficialmente prometido perturbar as eleições na Nigéria.

Publicidade

O grupo terrorista Boko Haram tem sido responsável por inúmeros ataques na Nigéria, causando milhares de vítimas. O seu alvo preferencial são as mulheres e jovens raparigas, que frequentemente são oferecidas como prémio sexual aos seus combatentes e militantes.

Recorde-se que recentemente o Boko Haram prometeu lealdade ao Estado Islâmico, que já afirmou ter oficialmente aceite o compromisso de fidelidade. #Terrorismo