No passado mês de agosto, a morte de um jovem negro de dezoito anos, desarmado e abatido pela polícia com seis tiros à queima roupa, quando implorava que não disparassem sobre ele, desencadeou uma onda de indignação e protestos na cidade de Ferguson. As repercussões estenderam-se a todo o país, não só pelo impacto do incidente como da consciência que esse era um problema ainda não resolvido na sociedade norte-americana. Num comunicado oficial, o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, referiu-se aos protestos dizendo que as "frustrações" que foram transmitidas em todo o país não se devem apenas a um incidente particular. Têm raízes profundas em variadas comunidades negras que sentem que as leis dos Estados Unidos nem sempre foram aplicadas de forma uniforme ou justa.

Publicidade
Publicidade

O relatório do inquérito aberto pelo departamento da #Justiça foi agora divulgado. Revela que a discriminação racial contra os afro-americanos é não apenas prática mas padrão, tanto para a polícia como para a justiça da cidade de Ferguson. Os dados analisados revelam que, apesar da comunidade afro-americana constituir 67% da população da cidade, representa 93% dos detidos e 88% das vítimas de abuso policial. Neste sentido, verifica-se como que um alerta para alterar o paradigma do comportamento da polícia.

De acordo com Starsky Wilson, pertencente ao departamento de justiça dos Estados Unidos, seria preferível não se concentrarem em demasia neste problema, exceto para aprender com algumas experiências que os poderão ajudar no trabalho que têm de desempenhar, nomeadamente ao nível de um estabelecimento mais amistoso entre os cidadãos e as autoridades policiais.

Publicidade

Para alguns membros deste departamento de justiça, a chave para a diminuição do sentimento de discriminação será tentar mudar a formação, a avaliação e a forma como interagem com os seus cidadãos. Esta necessidade de melhor preparação da polícia foi de novo evidenciada no incidente de domingo em Los Angeles, onde foi também abatido a tiro um sem abrigo que sofreria de distúrbios mentais.