Ken Dark, arqueólogo britânico, e uma equipa de especialistas da Universidade de Reading, identificaram uma casa que poderá revolucionar a teologia, tal como a conhecemos. Segundo um artigo publicado no Daily Mail, trata-se de uma construção onde, há exactamente 2015 anos, Jesus Cristo terá passado os primeiros anos da sua infância e onde Maria e José criaram o seu filho. O humilde recinto situa-se na Nazaré, Israel, "entre dois túmulos e debaixo de uma igreja", relatam os textos clericais bizantinos resgatados por Dark. O investigador adianta ainda que o Convento das Irmãs de Nazaré e o Templo da Anunciação de Nazaré foram edificados durante a época das cruzadas medievais sobre a casa do filho de Deus para protegê-la dos ataques, em meados do século XI.

Publicidade
Publicidade

Desde 2006 que o catedrático estuda as ruínas sob Israel e, com base na arqueologia bíblica, sugere que a casa de Jesus era venerada pelos templários, já que foi precisamente nesse espaço que Maria recebeu a notícia de que no seu seio se encontrava o Messias e que, juntamente com o seu esposo, José, tinha sido escolhida para cuidar do "bom pastor".

"O Dr. Dark descreve a casa do filho de Deus como uma vivenda de pedra com muitos quartos e uma só escada que percorre todas as divisões. Uma das portas principais sobreviveu à passagem do tempo e, inclusive, os acabamentos do chão encontram-se em perfeitas condições", descreve o jornal britânico na sua edição online, onde acrescenta que o tipo de infraestrutura coincide com a dos tempos bíblicos.

O tabloide destaca que a maior prova utilizada por Dark para definir estas ruínas como a casa de Jesus tem como base um manuscrito intitulado "De Locis Sanctis" (traduzido como Os Locais Sagrados), que data do ano 670, que terá sido redigido pelo abade irlandês Adomnán e que compila todos os espaços divinos do cristianismo desde a morte do apóstolo S.

Publicidade

Pedro.

No seu artigo, o arqueólogo diz ter encontrado panelas para cozinhar, discos para tear e outros utensílios de pedra e calcário, o que "prova com toda a certeza que uma família judia radicou naquele espaço". No entanto, foram também encontrados no interior da habitação mosaicos com a representação da Sagrada Família que datam da época das Cruzadas, acompanhadas por gravações bizantinas. #Religião