O governo indiano decidiu banir o filme India's Daughter. Realizado por Leslee Udwin, numa co-produção com a BBC, o documentário relata a violação de uma jovem de 23 anos, por seis homens, em Nova Deli, e inclui a entrevista a um dos violadores e a outros homens condenados pelo mesmo crime. O filme gerou a comoção internacional, não só pelo crime hediondo, como pelas declarações de Mukesh Singh, um dos responsáveis pelo estupro, que culpabiliza a vítima pela violação.

India's Daughter foi exibido na passada quarta-feira no canal BBC4 e o ministro da administração interna da Índia, Rajnath Singh, já afirmou que o governo pode tomar medidas legais contra a estação pública britânica.

Publicidade
Publicidade

"Todas as opções estão em aberto para o governo, incluindo ação legal. Nós pedimos para não exibirem o documentário, mas a BBC exibiu na mesma. Vamos investigar e agir em consonância". O governo, apoiado pela grande maioria dos departamentos políticos, justifica a sua atitude por considerar o documentário de Udwin mau para a imagem do país.

Além de proibir a exibição do documentário no canal indiano NDTV, prevista para este domingo, Dia Internacional da Mulher, as autoridades indianas enviaram uma carta ao Youtube exigindo a remoção do filme, pedido que foi, contudo, ignorado pelo portal de vídeos online. As tentativas do governo não pararam por aqui, sendo que, na passada quinta-feira, a polícia de Nova Deli visitou as casas e escritórios da equipa de filmagens, numa tentativa de recolher todas as imagens do filme.

Publicidade

Do lado oposto, várias personalidaes influentes da Índia, incluindo atores de Bollywood e figuras do campo da literatura, saíram em defesa do filme. "É um dos melhores documentários que já vi - é emocionante e faz-te pensar. É de arrepiar, é um filme obrigatório", afirma Chetan Bhagat, um romancista; "Chocante, frustrante, triste - precisamos de um exame social", declara Aditi Rao Hydai, uma atriz; "Por favor vejam India's Daughter, precisamos de entender e erradicar a maldade à nossa volta", pediu Genelia D'Souza, outra atriz.

Leslee Udwin, que entretanto já abandonou a Índia, afirmou em entrevista que decidiu realizar o filme não pela violação, mas pelos protestos que se seguiram. Nova Deli foi já classificada de "capital da violação". Só no ano 2014 registaram-se 2069 casos, um aumento de 31,6% em relação a 2013. Na Índia há uma violação a cada vinte minutos. No entanto, a violação de Jioty, jovem estudante de fisioterapia, que regressava a casa com um amigo, depois de uma ida ao cinema, em dezembro de 2012, levou a protestos sem precedentes em nome da igualdade de género neste país culturalmente marcado pelas desigualdades sociais.