Dois corpos de alpinistas foram encontrados no topo do Pico de Orizaba, o ponto mais alto do México, completamente congelados e mumificados. A descoberta foi feita por uma equipa de 12 membros da Protecção Civil mexicana, após um alerta de alpinistas que afirmaram ter visto um crânio a 310 metros do cume da montanha. A investigação encetada pelas autoridades, que escalaram ao pico de 5747 metros de altitude, veio a revelar que era algo mais do que um crânio.

"Um dos alpinistas contou-nos que, após uma queda de cerca de 100 metros, já perto do topo, quando cravou o machado na neve para se segurar, deu de caras com um crânio e uma mão a sair do glaciar", informou o presidente da Associação de Alpinistas de Chalchicomula de Sesma.

Publicidade
Publicidade

Hilario Aguilar disse ainda que, devido às difíceis condições atmosféricas, apenas dois alpinistas conseguiram chegar ao local onde o crânio tinha sido descoberto.

Foi então que, a cerca de 150 metros desse local, foi feita uma segunda descoberta. Um segundo corpo, também ele gelado e mumificado, foi encontrado no lado norte do vulcão, a cerca de 5400 metros de altitude, ou seja, a pouco mais de 200 metros do topo. O Pico de Orizaba é o ponto mais alto do México, o terceiro mais alto da América do Norte.

Em declarações à comunicação social, o presidente da Câmara de Chalchicomula de Sesma, Juan Navarro, afirmou que "são dois corpos e não um como pensávamos", realçando que o intenso nevoeiro e as condições no local não ajudaram nas buscas. Segundo as autoridades, é expectável que os restos mortais sejam de dois alpinistas mexicanos que desapareceram, com um terceiro companheiro, há 55 anos, vítimas de uma avalanche.

Publicidade

O vulcão de Orizaba encontra-se inactivo, mas não extinto, tendo as últimas erupções ocorrido em 1687. É um local que faz parte de um parque nacional e que é muito procurado por montanhistas e alpinistas, muito devido à existência de caminhos de aproximação e escalada ao topo. Normalmente as condições atmosféricas no local são propícias à subida ao topo do Pico.

É mais um caso da descoberta de corpos mumificados, em excelente estado de conservação, depois de recentemente ter sido encontrado um monge budista, com cerca de 200 anos.