A pouco mais de uma semana após o lançamento de uma grande ofensiva, as forças iraquianas aproximam-se de Tikrit e podem estar a poucos dias de recuperar a cidade, ocupada por militantes do Estado Islâmico. Nos últimos três dias, as forças evoluíram cerca de 80 quilómetros em direcção à cidade e agora estão apenas a pouco mais de 1,5 quilómetros do centro da cidade. A operação faz parte de uma ofensiva em larga escala para recuperar a província de Tikrit e Salahuddin, ordenada pelo primeiro-ministro iraquiano Haider al-Abadi no primeiro dia de Março.

Hadi Al-Amiri, o líder da força paramilitar predominantemente xiita Hashd Al-Shaabi, disse na passada segunda-feira, dia 9, que está confiante que os seus homens derrotarão o Estado Islâmico no Iraque sem a ajuda da coligação liderada pelos Estados Unidos.

Publicidade
Publicidade

"Nós não precisamos deles e não vamos precisar", disse Al-Amiri. "Qualquer um que põe fé na coligação internacional para libertar o Iraque está a colocar a sua fé numa miragem. O povo do Iraque vai libertar este país e pôr fim ao Estado Islâmico".

O Irão proporcionou conselheiros, armas e munições para o governo iraquiano combater os jihadistas. De acordo com o Pentágono, pode haver iranianos a operar artilharia na frente de combate. "Agradecemos profundamente a ajuda e a participação militar, porque o Irão tem mais experiência do que qualquer outro país na luta contra o #Terrorismo", disse Al-Amiri.

O esforço conjunto parece estar a valer a pena, pois fontes próximas das linhas de frente apontam para sinais de que os terroristas podem estar a fracturar em algumas áreas, sob a pressão de funcionar como um Estado.

Publicidade

Os relatórios dão conta da emergente moral baixa, e as autoridades norte-americanas disseram que estão a presenciar a "evidência de ressentimento e até mesmo de resistência" em zonas controladas pelo Estado Islâmico.

Além do avanço para Tikrit, as forças Peshmerga de Kirkuk recuperaram três aldeias ao EI nas últimas 24 horas. Cerca de 100 combatentes jihadistas foram mortos. Na Síria, forças curdas expandiram a área controlada ao redor da cidade de Kobani.