Uma notícia viral de um gato que alegadamente teria morrido depois de ter sido pintado de cor-de-rosa correu o mundo nos últimos dias, mas, afinal, o gato está vivo e de boa saúde. A sua dona, Lena Lenina, farta de ser alvo de críticas, publicou fotos com o felino para o comprovar. Supostamente a dona, uma escritora e actriz russa, terá pintado o animal com uma tinta de cabelo para o adequar a uma festa temática "pretty in pink" em que tal cor seria obrigatória. A cor escolhida teria uma razão de ser, a festa cor-de-rosa seria também uma autêntica terapia e cura cromática. O rosa foi utilizado pelas suas propriedades curativas e de regeneração.

Publicidade
Publicidade

Entretanto, mais tarde na web, correu a notícia que o gato teria morrido devido a intoxicação por lamber o pelo. A notícia dizia ainda que a dona se desculpou dizendo que teria utilizado tinta veterinária e que desconhecia, por isso, as causas da sua morte. Segundo uma amiga de Lena Lenina, que chegou a comentar a falsa notícia, o gato não teria gostado de tal tratamento e "tentou fugir várias vezes quando estava a ser pintado". A amiga disse que "era antinatural" e que "não seria capaz de tal coisa".

Pelos vistos Lena foi vítima de falsos testemunhos da Internet. Felizmente foi tudo uma mentira de mau gosto, havendo alguém que se lembrou de inventar a morte do seu gato. Para descansar os seus seguidores, foram publicadas fotos do animal, mas já sem a coloração rosa no pelo.

Publicidade

Afinal o gato é branco e nas fotos aparece apenas ainda um pouco manchado. Há quem diga ainda que tudo não passou de um inteligente golpe publicitário para levar o nome de Lena Lenina mais além.

As tintas para o pelo dos #Animais são frequentemente utilizadas pelas celebridades, atitude que é fortemente criticada pelos defensores dos direitos dos animais. Embora existam marcas específicas, muitos países resolveram proibir a sua utilização e comércio por ser considerado maus-tratos. Estas tintas são feitas de materiais prejudiciais, podendo causar danos à pele, olhos e irritações, sendo consideradas uma violação dos direitos dos animais.