O promotor público de Marselha afirmou que, ao que parece, o co-piloto do voo Germanwings fez cair o avião deliberadamente. Brice Robin confirmou esta quinta-feira os detalhes numa conferência de imprensa, que já tinham sido indicados ontem para o New York Times. Robin confirmou que o co-piloto é de nacionalidade alemã e era a única pessoa na cabine no momento do acidente.

Na conferência de imprensa, o promotor francês afirmou que o nome do co-piloto era Andreas Lubitz, de 28 anos de idade. Nenhum outro nome foi indicado. O outro piloto deixou a cabine por uma razão desconhecida e, neste ponto, acredita-se que Lubitz terá trancado a porta por dentro. O New York Times informou que o piloto tentou "mandar a porta abaixo" quando o co-piloto recusou abri-la.

O promotor disse que foi uma acção "voluntária", a de iniciar o comando para perder altitude. Durante a descida, o co-piloto não fez qualquer barulho para ser ouvido do lado de fora, enquanto o piloto tentava entrar no cockpit. Apenas momentos antes do avião embater nas montanhas, foram ouvidos gritos. O promotor acrescentou que, até agora, este acidente estava considerado como "homicídio involuntário", no entanto, poderia mudar com a continuação da investigação.

Questionado se poderia ser considerado um ataque terrorista, Robin acrescentou que o co-piloto "não era conhecido como um terrorista". O promotor recusou-se também a dizer se teria sido suicídio, dada a natureza do incidente e pelo facto de existirem muitas pessoas inocentes a bordo.

O voo Germanwings de Barcelona para Dusseldorf caiu na terça-feira de manhã, nos Alpes franceses. O voo tinha 144 passageiros e 6 tripulantes a bordo. Não houve pedido de socorro ou chamada de emergência feita a partir do avião enquanto descia. A informação divulgada esta quinta-feira é proveniente das caixas negras, que foram danificadas quando o avião chocou contra as montanhas. A operação de recuperação continua nos Alpes para recuperar os corpos das 150 pessoas a bordo do avião. Entre as pessoas a bordo encontravam-se 2 bebés e 16 estudantes alemães que se encontravam numa viagem de intercâmbio.