De férias na Noruega, um grupo de amigos decidiu ir acampar para observar melhor o eclipse. Enquanto todos dormiam, um deles foi atacado e arrastado da sua tenda por um urso polar. A vítima, um homem sueco, Jakub Moravec, diz ter sido agarrado pela cabeça e puxado violentamente pelo urso. "Quando dei conta já estava cá fora, mas tentei usar as mãos para proteger a cara e cabeça".

Jakub estava num grupo de seis pessoas numa estância de esqui nas Ilhas de Svalbard, que ficam a cerca de 200 quilómetros da Noruega. O grupo de amigos todos os anos, nesta época, costumava deslocar-se para lá. Este ano juntaram ao roteiro a observação do eclipse e, em vez de passarem a noite no hotel, decidiram ir acampar para o poderem ver melhor.

Publicidade
Publicidade

Não se sabe ainda como o urso chegou à tenda pois ninguém deu conta da sua presença. Jakub ainda foi arrastado alguns metros pedindo ajuda. Os seus gritos alertaram as restantes pessoas do acampamento, e um dos amigos de Jakub, que por sorte tinha levado uma caçadeira, apressou-se a ir buscá-la. Disparou várias vezes contra o urso que se assustou (possivelmente com o barulho) e largou-o, mas virou-se contra o atirador.

Um amiga de Jakub, Zuzana, conta que apesar dos tiros, não conseguiam demover o animal e chegaram a temer que ficasse mais irritado e pudesse atacá-los. Por sorte o urso fugiu e conseguiram chamar as autoridades. Movarec teve que ser levado para o hospital mais próximo de helicóptero e os guardas florestais procuraram o urso, que mais tarde foi encontrado e abatido. Jakub Movarec ficou com várias marcas nos braços e com o rosto marcado das garras e dentes do urso, mas está fora de perigo. Provavelmente irá ficar internado mais alguns dias mas espera poder voltar brevemente às ilhas.

Os médicos dizem que é bastante comum serem internadas pessoas que acampam na ilha devido a ataques de ursos. Mas explicam que o pior inimigo de quem por lá pernoita nesta altura é o frio. "As lesões provocadas pelo frio são o pior, causam feridas que por vezes resultam em amputações" diz o médico de serviço, e acrescenta que "apesar das temperaturas negativas todos os anos vão para lá centenas de pessoas". Este ano verificaram-se mais entradas no hospital durante esta semana devido ao grande êxodo de pessoas que quiseram observar o eclipse.

Os ataques são bastante frequentes e já não é a primeira vez que a notícia de alguém atacado por um urso nestas ilhas norueguesas corre mundo, como foi o caso em 2011, de uma adolescente inglesa que foi atacada e não sobreviveu aos ferimentos. Nestas ilhas todos os anos pelo menos cinco pessoas têm de recorrer ao uso de armas para se defender destes #Animais.