O aeroporto internacional Sergey Prokofiev, em Donetsk, foi construído para receber os milhares de fãs de futebol que invadiram o país para o Campeonato Europeu de Futebol de 2012 e era um símbolo de quase 1000 milhões de euros da modernidade ucraniana. Não passa agora de entulho, destruído pelo conflito, no qual os separatistas apoiados pelos russos travaram uma sangrenta guerra civil com as forças leais a Kiev.

Até o final de Janeiro, o aeroporto ainda esteve sob o controlo de fiéis determinados a manter o edifício, de máxima importância estratégica. No entanto, depois de nove meses de bombardeamentos, a resistência terminou, deixando para trás escombros torcidos do que foi outrora um monumento ao futuro brilhante do país.

Publicidade
Publicidade

Restam amontoados de aço dobrado, aeronaves queimadas e uma torre de controlo de tráfego aéreo esburacada.

As trocas intensas de artilharia entre as forças do governo ucraniano e separatistas apoiados pelos russos persistem no leste da Ucrânia; uma luta que ameaça o acordo de cessar-fogo intermediado pelos líderes europeus. De acordo com o cessar-fogo negociado pelos líderes da Ucrânia, Rússia, Alemanha e França, os lados em conflito deveriam começar a retirar as armas pesadas da linha de frente. Esse plano parece definitivamente riscado, com os rebeldes a afirmar que não estão convencidos de que estejam reunidas as condições para que o processo vá para a frente.

Jornalistas estrangeiros em Lugansk, cidade 15 quilómetros a noroeste do centro ferroviário de Debaltsev, continuam a ouvir disparos de artilharia, alguns supostamente da parte das forças ucranianas.

Publicidade

Debaltsev, ainda nas mãos do governo, continua na disputa, apesar do cessar-fogo. Os rebeldes insistem que a cidade deve ser conquistada e o cerco mantém-se a poucos minutos de distância. Vários lança-misséis Grad foram vistos apontados a Debaltsev, mas não foram disparados, informam os jornalistas presentes na região. Recentemente, as forças rebeldes afirmaram ter encontrado 373 corpos de soldados ucranianos nos escombros do aeroporto de Donetsk.