A violência com que o Boko Haram leva a cabo as suas ações tem horrorizado o mundo, especialmente desde que a organização raptou duas centenas de estudantes nigerianas de uma escola no ano passado, ação que levantou uma mediática iniciativa que poucos resultados criou. A organização não limitou as suas ações à Nigéria, onde pretende criar um califado, mas também lançou ataques aos países vizinhos, Chade, Níger e Camarões. Estas nações iniciaram entretanto uma ampla operação militar no coração da Nigéria, com o fim de destruir a organização terrorista. E terá sido no encalço das recentes vitórias destas tropas que diversos militantes do Boko Haram executaram dúzias de mulheres.

Publicidade
Publicidade

Esta semana a aliança que enfrenta o Boko Haram na Nigéria conseguiu libertar diversas cidades, incluindo a importante povoação de Damasak, no norte do país, e Baga, no sul, onde há poucas semanas se dera um terrível massacre que fora amplamente mediatizado. As vitórias destas tropas e o recuo dos militantes têm sido tão absolutos que a moral é considerada extraordinária. Entretanto, em Abuja, capital da Nigéria, terão lugar eleições no próximo dia 28, pelo que o atual governo nigeriano estará certamente interessado em apresentar resultados.

Toda esta situação representa um importante revés para o Boko Haram. Sabe-se que os militantes haviam forçado várias mulheres a casar com eles aquando da ocupação de várias cidades e agora, ao retirar, decidiram não se fazer acompanhar das mesmas.

Publicidade

Os líderes da organização teriam, de antemão, informado os seu seguidores que, se executassem as esposas, elas permaneceriam fiéis até que se voltassem a encontrar com eles no Paraíso, e que isso seria melhor do que permitir que caíssem nas mãos das tropas governamentais, ou que se voltassem a casar com "infiéis".

Os relatos mais marcantes chegam da cidade de Bama, que havia sido ocupada no passado mês de Setembro. Várias testemunhas falam das conversas entre os militantes e da grande quantidade de corpos que os mesmos deixaram para trás. Convém, no entanto, ter em conta que tais declarações ainda não puderam ser confirmadas. As ações do Boko Haram já causaram mais de 13.000 mortes na Nigéria. Recentemente a organização também anunciou uma aliança com o Estado Islâmico, mas a ação é entendida como uma maneira de melhorar a imagem mediática, uma vez que no terreno a situação começa a ficar extremamente negativa para os dois grupos jihadistas. #Terrorismo