O Monte Everest é, desde 1953, um lugar mítico para os amantes do montanhismo, sendo quase uma peregrinação obrigatória. Milhares de montanhistas já tentaram efetuar a subida deste monte, sendo um desafio que nem todos conseguem concluir com sucesso. O principal problema da passagem dos montanhistas por este lugar é a quantidade de lixo que lá deixam ao abandono, principalmente nas zonas criadas para o seu próprio descanso. Para além do lixo que levam consigo, os excrementos vão se amontoando e estima-se que anualmente sejam lá deixados cerca de 12 mil quilos de excremento humano. Os prazeres lúdicos da raça humana estão, uma vez mais, a destruir o meio #Ambiente sem qualquer sentido ou justificação para tal.

Publicidade
Publicidade

Este problema não é recente, mas tem vindo a agravar-se todos os anos. A própria Associação de Montanhismo do Nepal iniciou, recentemente, uma campanha de alerta para os problemas ambientais que estão a ser criados no Monte Everest. Os montanhistas estão a deixar as zonas criadas para se habituarem às condições climatéricas em verdadeiras, lixeiras repletas de excrementos humanos, latas, garrafas de oxigénio e ferramentas utilizadas para a viagem.

Em 2013, num artigo publicado na revista Nacional Geographic, um montanhista deu principal ênfase à paisagem horrível devido à poluição e a quantidade exorbitante de excrementos humanos que se amontoavam perto dos campos de descanso. Também no mesmo ano, um grupo de artistas nepaleses juntou-se numa iniciativa que visava dar a conhecer esta triste realidade e onde utilizaram o lixo deixado pelos montanhistas para fazer peças de arte.

Publicidade

Se por um lado a falta de respeito ambiental por parte dos montanhistas que frequentam esta zona do globo terrestre é de lamentar, as condições climatéricas deste local também não ajudam. O clima de frio extremo que existe nesta zona faz com que os excrementos demorem muito mais tempo a desaparecer, do que em outras zonas em que a temperatura não ronde os graus negativos.

O governo nepalês implementou uma lei que obriga os montanhistas a não ultrapassarem os oito quilos em bagagem, pois é este o peso estimado para se conseguir efetuar a subida do monte, tentando minimizar os objetos levados pelos montanhistas e que são por lá deixados ao abandono. Quem não cumprir esta lei arrisca-se a perder o valor da caução, que ronda os 3600€.