Uma mulher inglesa de 47 anos chegou a ser agredida 30 vezes num dia pela própria filha, de 9. O primeiro caso de violência terá acontecido em 2008, quando o filho de apenas quatro anos usou uma tesoura para esfaquear a mãe no estômago. Pauline Bubb, mãe solteira de duas gémeas e de um rapaz, fechava-se regularmente no seu quarto para fugir aos ataques. Uma das meninas chegou inclusivamente a morder a progenitora na face. Já o filho mais velho tentou por uma vez estrangular a mãe por trás quando esta se sentava numa cadeira.

Após 7 anos de abusos, Pauline confessa que se sentiu demasiado envergonhada para contar a alguém. Agora, resolveu expor a sua história a um programa de televisão britânico que lida com vários outros casos de filhos que agridem os pais. De resto, este tipo de agressões tem vindo a aumentar no Reino Unido: 118 crianças com menos de 14 anos foram acusadas de violência doméstica entre 2012 e 2013.

Seguida agora de perto por especialistas da área, Pauline Bubb diz que o comportamento dos filhos tem melhorado consideravelmente nos últimos tempos. A senhora confessa que não terá exercido a disciplina necessária a crianças daquela idade: "eu era inconstante. Não impunha limites e por isso perdi o controlo sobre os meus filhos".

De filhos para pais: o caso português

Por cá, houve quase 4000 casos registados de pais vítimas de violência doméstica, entre 2004 e 2012. As mães são as mais afectadas, contabilizando 81% do total dos agredidos. Na maioria dos incidentes, a vítima tem mais de 65 anos. Quanto ao perfil do agressor, este é geralmente do sexo masculino - 71% dos casos - e entre os 26 e os 45 anos de idade. Os crimes mais recorrentes são os maus tratos físicos e psíquicos, seguidos do crime de ameaça/coação. Em grande parte dos casos os pais não denunciam os maus tratos, pelo que o combate a este género de crime se torna difícil.

De acordo com a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), é comum encontrar nos agressores pelo menos um destes traços:

- São toxicodependentes;

- Sofrem de esquizofrenia e/ou psicose;

- Os pais vivem sozinhos. #Família