No Colorado, foi detida uma norte-americana, Dynel Lane, de 34 anos por, alegadamente, ter entrado na casa de uma jovem de 26 anos, grávida de sete meses, e tê-la esventrado e tirado o feto. A suspeita é acusada de tentativa de homicídio de primeiro grau, segundo informou a polícia norte-americana, nesta quinta-feira, dia 19. A grávida sobreviveu, após uma cirurgia, mas o feto não resistiu. Um familiar de Dynel Lane acrescentou algumas explicações a este cenário trágico. A suspeita perdeu um bebé, de 19 meses, por afogamento, em 2002, e nunca terá recuperado do choque. O filho de Lane estaria a brincar com os irmãos quando terá caído num lago, ao lado de casa.

Publicidade
Publicidade

A mãe estaria em casa e não se terá apercebido. No relatório da polícia, a morte do bebé foi considerada acidental.

Treze anos volvidos, nova morte volta a assombrar as vidas de Lane e da família. A suspeita teria um anúncio na Internet para vender roupa de bebé e terá sido contactada pela própria vítima. A mulher de 26 anos agendou o encontro em sua casa e permitiu a entrada a Lane, que a terá espancado e cortado para lhe retirar o bebé, segundo os relatos da polícia. Terá sido a vítima a conseguir contactar a polícia, quando a suspeita se terá posto em fuga.

O comandante da polícia de Longmont, Jeff Satur, disse que a vítima ligou para o número de emergências, com uma voz muito trémula, a pedir ajuda, mas quando a polícia chegou a local, a mulher estava quase inconsciente, num cenário terrível, com a jovem toda ensanguentada, com golpes na barriga e sem o bebé.

Publicidade

A polícia levou a jovem ao hospital onde foi, imediatamente, sujeita a uma cirurgia, encontrando-se actualmente a recuperar, já livre de perigo.

Entretanto, Dynel Lane, de 34 anos, deu entrada no mesmo hospital, com o feto de sete meses, a pedir ajuda alegando ter "sofrido um aborto espontâneo". O feto não sobreviveu, uma culpa que poderá não ser imputada a Lane. É que de acordo com Stan Garnett, da Acusação, as leis do Colorado são específicas no que concerne a bebés que ainda não nasceram: "Em princípio, se uma criança não nasceu com vida, então não se poderá falar de homicídio".

Dynel Lane é casada e tem dois filhos e deverá comparecer no Tribunal local ainda nesta quinta-feira. #Crime