Centenas de pessoas manifestaram-se no estado de Nagaland, na Índia, depois de um preso, acusado de violação, ter sido retirado da prisão por uma multidão que o linchou até à morte, o arrastou pelas ruas e o enforcou numa torre de relógio. Sayed Farid Khan, de 35 anos, estava na prisão de Dimapur por suspeita de abusos sexuais contra uma jovem de 19 anos quando o grupo de pessoas (cerca de mil) irrompeu nas instalações, retirou-o da cela onde se encontrava e lhe deu tanta pancada que o homem acabou por não sobreviver, de acordo com o diário Hindustan Times.

O caso gerou grande polémica no país, uma vez que o irmão de Khan alega que os vários relatórios médicos não confirmam a violação e que a alegada vítima "conhecia bem" o acusado.

Publicidade
Publicidade

Como consequência deste caso, surgiu uma onda de protestos no estado vizinho de Assam, de onde Khan era proveniente. As manifestações levaram mesmo as autoridades locais a impor o recolher obrigatório para controlar a situação.

As críticas agravaram-se depois das forças de segurança da prisão e a polícia local terem sido acusadas de estarem envolvidas no linchamento. Os que criticam esta demonstração de #Justiça popular consideram que seria impossível que a multidão tivesse entrado na cadeia sem incidentes e que mais nenhum preso tivesse escapado se não tivesse havido conivência das referidas autoridades. A Polícia de Dimapur explicou, entretanto, que a turba que retirou à força o recluso da prisão estava liderada por estudantes de liceu e de universidade, pelo que não puderam actuar de forma adequada.

Publicidade

Já depois disso, as autoridades indianas anunciaram a detenção de 22 pessoas pela participação no violento linchamento.

Os números de abusos sexuais contra mulheres na Índia dispararam durante os últimos anos, o que tem levado a várias manifestações massivas, nas quais os participantes exigem castigos mais severos para a violência sexual e um aumento da segurança. Neste caso em particular, a reacção popular terá sido ainda mais grave devido à origem do alegado violador (do Bangladesh). Nos últimos meses registaram-se vários incidentes no Nordeste da Índia entre locais e cidadãos daquele país vizinho. #Crime