Investigadores espanhóis acreditam ter encontrado os restos mortais de Cervantes, o autor que escreveu o clássico "Dom Quixote". Cervantes pediu para ser enterrado num convento em Madrid, mas este convento foi reconstruído e os seus restos mortais terão sido separados do seu caixão. Após pesquisas no solo do monumento, foram encontrados fragmentos de ossos que possivelmente pertenceram a Cervantes. Testes de ADN estão a ser realizados para confirmar a hipótese.

Cervantes, a quem é frequentemente atribuído o feito de ter escrito o primeiro livro moderno, morreu em 1616, após ter pedido para ser enterrado no Convento de las Monjas Trinitarias Descalzas.

Publicidade
Publicidade

O paradeiro do túmulo de Cervantes era um mistério desde que o convento foi reconstruído, em finais do século XVII, e há quase um ano que investigadores andavam a pesquisar o subsolo à procura de ossos, na esperança de encontrar alguns que pertencessem ao autor.

Durante as escavações, os investigadores encontraram, em Janeiro, um caixão com as iniciais "M" e "C" gravadas, o que pensaram poder corresponder a Miguel Cervantes, mas tratava-se afinal do corpo de uma criança. Agora julgam ter alcançado o seu objectivo, comparando os restos encontrados com pistas sobre a vida do escritor, como o facto de este ter perdido o uso da mão esquerda aos 24 anos e ter sido alvejado no peito pelo menos uma vez, tendo ganho a vida enquanto soldado. Na verdade, e embora estejam a ser feitos testes de ADN, não há qualquer identificação genética confirmada do autor, pelo que esta confirmação pode vir a ser impossível.

Publicidade

A descoberta dos seus possíveis restos mortais acontece no ano em que se celebram, em Espanha e no mundo literário, os 400 anos da publicação do segundo volume de Dom Quixote, dez anos depois da publicação do primeiro volume, em 1605. Com este acontecimento, as autoridades espanholas esperam poder construir um monumento na igreja em que os restos mortais de Cervantes foram encontrados para comemorar o autor, esperando poder completar essa obra em Abril do próximo ano, quando se celebram os 400 anos da morte de Cervantes. #História #Literatura