Chegados a Março de 2015, os líderes dos três países mais afetados pelo surto do vírus ébola começam a pensar no futuro e a perspetivar outro alcance. Num horizonte próximo está a meta de zero casos de ébola, que a Organização Mundial de Saúde acredita que será possível alcançar em Abril. Por isso, em Bruxelas, numa conferência com os responsáveis europeus, três Presidentes; da Libéria, da Serra Leoa e Guiné Conacri pedem, em conjunto, um plano de ação para recuperar a economia que saiu devastada dos meses em que travou a propagação do vírus e evitou um maior número de mortos. Alpha Conde, o Presidente da Guiné-Conacri, num comunicado refere que umas das suas principais preocupações são as consequências do Ébola na economia e na vida social do país.

Publicidade
Publicidade

Os analistas do Banco Mundial estimam que a doença tenha custado, em termos económicos, a esta zona da Africa Ocidental 12% do Produto Interno Bruto. Um peso demasiado elevado para economias vulneráveis e dependentes de um setor agrícola que viu a produção reduzida para metade no último ano. A Presidente da Libéria lembrou o apoio que foi dado à Europa na reconstrução pós-guerra e pediu um Plano Marshall, com o compromisso de derrotar o vírus. Este assunto deverá estar na ordem do dia nos próximos encontros internacionais sobre o surto da ébola, que se realizarão entre 16 e 18 de Abril, em sessões preconizadas pelo Fundo Monetário Internacional e pelo Banco Mundial.

As aulas já foram retomadas na Libéria e, após o levantamento da restrição por causa do estado de emergência, a Presidente quer ultrapassar e acelerar na erradicação da doença.

Publicidade

A Guiné Conacri também já tinha reaberto as escolas durante o mês passado e a Serra Leoa em Janeiro. Com uma descida significativa, os médicos sem fronteiras e voluntários que continuam a trabalhar ativamente nos centros montados nas localidades que viveram este surto, dizem que não há que facilitar. O surto do ébola foi responsável por mais de nove mil e seiscentos mortos, e, pelo último balanço da OMS, acima de vinte e três mil e setecentos afetados.