O Papa Francisco manifestou a possibilidade de vir a renunciar ao papado, à semelhança do seu predecessor Bento XVI, em vez de permanecer no Vaticano até ao final da sua vida. O pontífice fez os comentários durante uma entrevista ao canal de televisão mexicano Televisa, que tinha como objectivo celebrar o seu segundo aniversário à frente da Igreja. "Tenho a sensação de que o meu pontificado vai ser breve. Quatro ou cinco anos. Eu não sei, talvez até dois ou três," disse o Papa.

Francisco disse considerar a renúncia de Bento XVI um acto "corajoso". "Bento XVI não deve ser considerado uma excepção, mas uma instituição.

Publicidade
Publicidade

Talvez ele vá ser o único [Papa emérito] durante um longo período, talvez ele não vá ser o único. Mas uma porta institucional foi aberta," disse Francisco ao canal Televisa. O Papa Francisco já tinha sugerido no passado que poderia vir a aposentar-se, mas disse que se opunha à ideia de um limite de idade para os líderes da Igreja Católica. "Dizer que alguém é o líder até 80 anos, cria uma sensação de que o pontificado está no seu término e tal não seria uma coisa boa," explicou.

Um conclave papal elegeu o Papa Francisco como o sucessor de Bento XVI a 13 de Março de 2013, tornando-o o primeiro latino-americano a liderar a Igreja Católica. Durante a entrevista, Francisco admitiu ter ficado "surpreendido" com a decisão e que só tinha levado uma mala pequena para Roma, na expectativa de que regressaria a Buenos Aires.

Publicidade

Em pelo menos três ocasiões anteriores, jornalistas perguntaram ao pontífice se ele tencionava seguir as pisadas do seu predecessor Bento XVI e aposentar-se. O Papa respondeu sempre de forma semelhante. "Eu acho que um Papa emérito não deve ser uma excepção," disse Francisco aos jornalistas em Agosto de 2014. "Vocês podem perguntar-me: 'E se um dia não se sentir preparado para continuar em frente? 'Eu faria o mesmo, eu faria o mesmo". Contudo, Francisco também deixou claro que vai continuar a ocupar o cargo enquanto tiver força física para tal. A sua entrevista com o canal de televisão mexicano deixou claro que o Papa continua a gostar do seu papado. "Gosta de ser Papa?" perguntou a entrevistadora Valentina Alazraki. "Não desgosto!" respondeu o Papa.

O Papa Francisco tem ganhado elogios por parte dos Católicos devido ao seu estilo simples, mas também devido às suas promessas para reformar a Cúria - o governo interno da Igreja Católica. No entanto, o pontífice afirmou que já se passaram dois anos desde que iniciou o seu papado e que não irá permanecer no cargo por muito mais tempo.

Publicidade

"Não sei. Mas sinto que o Senhor escolheu-me para uma tarefa breve, e nada mais," explicou. "Mas é uma sensação. Deixo sempre em aberto a possibilidade."

O Papa Francisco disse ainda à Televisa que "não se importava de ser Papa", mas que tinha saudades do anonimato associado à vida de um padre. "A única coisa que eu gostaria de fazer é de sair um dia, sem ser reconhecido, e ir a uma pizzaria comer uma pizza", desabafou o Papa Francisco. Francisco falou, durante a entrevista, de vários outros temas, dando particular destaque ao tema da imigração. Sobre o assunto, o Papa disse que "a Europa está a repensar a situação" e louvou a "generosidade" de Itália, sobretudo dos líderes políticos da ilha de Lampedusa, que tem sido o destino de quem consegue sobreviver à travessia do Mar Mediterrâneo. #Religião