As potências ocidentais que se encontram em negociações com o Irão sobre a sua actividade nuclear garantiram que não vão aceitar "um mau acordo", disse o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico Philip Hammond, citado pela BBC. Ministros da França, Alemanha e Reino Unido, juntamente com o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, reuniram-se em Londres no passado sábado, dia 21, devido à necessidade cada vez mais urgente de se chegar a um acordo nuclear até ao final de Março.

Seis potências mundiais - China, França, Alemanha, Rússia, Reino Unido e EUA - querem garantir que o Irão não consegue produzir armas nucleares, algo que o próprio governo iraniano nega estar a fazer.

Publicidade
Publicidade

Recentemente, o presidente do Irão, Hassan Rouhani, falou positivamente sobre a possibilidade de um acordo ser alcançado. "Não há nada que não se possa resolver," disse Rouhani, citado pela comunicação social estatal iraniana. Rouhani afirmou também que na actual ronda de negociações a decorrer em Lausana, Suíça, "emergiram pontos de vista em comum em algumas das áreas onde anteriormente havia diferenças de opinião" e que estes poderiam tornar-se "uma base para um acordo final".

Após as conversações de sábado, dia 21, em Londres, Hammond disse: "Não vamos fazer um mau acordo que não satisfaça as nossas linhas vermelhas". Num comunicado oficial da reunião afirmou-se: "Nós concordamos que foi feito um progresso substancial com o Irão em áreas-chave, contudo ainda há questões importantes sobre as quais não foi possível chegar a um acordo.

Publicidade

Agora é a vez de o Irão, em particular, tomar decisões difíceis".

As quatro potências ocidentais, juntamente com a China e a Rússia, formam o chamado P5+1, que está a negociar com o governo de Teerão para que este diminua as suas actividades nucleares de carácter mais sensível em troca de uma redução das sanções económicas internacionais de que tem sido alvo e que têm prejudicado gravemente o país. Contudo, o Líder Supremo iraniano, Ayatollah Ali Khamenei, advertiu no sábado contra a submissão às exigências das potências ocidentais a fim de alcançar um crescimento económico.

O Irão e as potências ocidentais estabeleceram 31 de Março como o prazo limite para chegar a um acordo com uma estrutura política e 30 de Junho para um acordo final. O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, disse ainda que embora tenha sido feito um "progresso substancial" durante as últimas negociações, existem "lacunas importantes" que permanecem por resolver. Kerry voou para Londres a partir da Suíça e vai regressar para lá para retomar as negociações com o Irão na próxima semana. De acordo com a BBC, os pontos de atrito nas negociações sobre o programa nuclear incluem o ritmo com que as sanções seriam reduzidas e eventualmente levantadas, o tempo de duração do acordo final e o número de infra-estruturas nucleares do Irão que serão sujeitas a inspecções. #Política Internacional