Somente uma celebridade para justificar a multidão que veio prestar suas homenagens finais ao rei, na cidade de Leicester, Reino Unido. Ricardo III é uma coleção de questões tumultuadas, algumas difíceis de serem explicadas. Talvez por isso a sua fama. Ricardo III é único por ter sido o último rei Inglês a morrer durante uma batalha.

Estas, nunca o abandonaram. Ele morreu na última batalha da Guerra das Rosas (War of the Roses), que já ocorria durante a sua infância, no que ficou conhecido como a batalha de Bosworth. Esta, contada também por Shakespeare na peça que leva o nome do monarca, imortalizou sua intenção de trocar o seu reino (conquistado com muita dificuldade - e talvez alguns mortos pelo caminho) por um único cavalo, no calor da batalha, ao ver que o seu fim estava próximo.

Publicidade
Publicidade

O rei também é controverso por ser o último representante da dinastia Plantagenet, originada na França, e por ter ficado no trono por apenas dois anos. Ele esteve no poder antes da dinastia "Tudor", cuja rainha atual Elizabeth II representa. Notícias existem de que a mesma fará uma visita. Todavia, paradoxalmente à provável e amável visita, conta-se que foi essa dinastia, a dos Tudor, responsável pela má reputação do rei sepultado, uma vez que a sua delicada situação de reivindicação do trono dependia de enegrecer a reputação do rei anterior. Como Ricardo III ascendera ao trono após os seus dois sobrinhos, filhos do rei anterior (Eduardo IV) serem declarados ilegítimos, e rodeado por mortes e guerras, não seria difícil que os Tudor encontrassem uma ótima coleção de informações para deslegitimar o rei anterior.

Publicidade

Ricardo III era um dos únicos reis da Inglaterra cuja sepultura não havia sido demarcada. Após descoberto, o rei também causou dificuldades na decifração de sua causa mortis, pois apresentava ferimentos mortais na cabeça, algo incoerente com os tipos de armaduras utilizadas no período. Para a decifração de sua "real" identidade também se encontraram dificuldades e muitos esforços para rastrear seus parentes atuais, bem como fazer um exame de DNA com ossos de mais de 500 anos. Além disso, a ossada do monarca foi alvo de uma disputa judicial, pois outra cidade alegava ter também direitos. A disputa final foi para decidir em que lugar deveria estar o túmulo do controverso rei.

Foi decidida então sua localização final: a Catedral de Leicester, uma construção de mais de 900 anos, cujos sinos ecoam de quinze em quinze minutos, para desespero dos vizinhos e do espírito de alguém que queira dormir eternamente. Alheios a tudo isso, ou talvez atentos a essa coleção de informações truncadas, os curiosos e aqueles que gostariam de prestar suas póstumas homenagens vieram aos turbilhões, acompanhados por helicópteros, redes de TV e repórteres dos mais distintos meios de comunicação.

Publicidade

Devido a toda a aura de controvérsia e ao tumulto ocasionado pela quantidade de pessoas que vieram ao encontro do "evento", parece que não será nesta altura ainda que o controverso e "famoso" rei conseguirá descansar em paz. #História