Um airbus A320 despenhou-se esta manhã nos Alpes franceses, no sul de França. O avião - da companhia aérea Germanwings, pertencente ao grupo Lufthansa - caiu em Digne, quando fazia a ligação entre Barcelona e Dusseldorf. A bordo seguiam 150 pessoas - 144 passageiros e seis tripulantes - que não sobreviveram ao acidente. Havia sido emitido um pedido de socorro momentos antes da aeronave se despenhar.

As 150 mortes foram confirmadas pelo ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, que se deslocou para o local do acidente momentos após a notícia do mesmo. O secretário de estado confirmou que havia sido emitido um pedido de socorro, pouco antes das 11 horas locais (10 horas em Lisboa).

Publicidade
Publicidade

A aeronave acabou por se despenhar e desaparecer dos radares poucos momentos depois de ser enviado o pedido de socorro.

A maioria das vítimas eram de nacionalidade alemã, mas já foram confirmados, pelo governo de Madrid, 45 passageiros de nacionalidade espanhola. O governo espanhol já criou um gabinete de crise, na sequência deste acidente com o Airbus A320. No aeroporto de Barcelona está agora montada uma sala, no Terminal 2, para acolher as famílias das vítimas espanholas que seguiam a bordo do avião. Fraçois Hollande acrescentou ainda a possibilidade de existirem cidadãos turcos a bordo do avião, mas descartou a possibilidade de vítimas francesas.

Segundo o jornal Le Monde, o chefe de estado francês entrou de imediato em contacto com Angela Merkel. A chanceler alemã falou via telefone com François Hollande e Mariano Rajoy e confessou-se chocada com o sucedido.

Publicidade

A líder alemã já cancelou todos os compromissos para poder acompanhar a situação, que vitimou 150 pessoas nos Alpes Franceses. O príncipe Filipe VI cancelou a sua visita oficial de três dias a Paris e irá regressar hoje à Espanha devido ao sucedido.

As equipas de resgate têm o seu trabalho bastante dificultado devido às condições do terreno. Uma fonte da Secretaria de Estado das Comunidades afirmou que já foi feito o contacto para tentar perceber se haveriam portugueses a bordo, porém, ainda não é possível confirmar essa informação.