O transplante aconteceu em dezembro de 2014, tendo feito parte de um estudo piloto do Hospital Tygerberg e Universidade Stellenbosch, situados na Cidade do Cabo, África do Sul. No entanto, a cirurgia só foi divulgada agora, após os médicos verificarem que a mesma teria sido bem-sucedida. Esta não foi a primeira vez que o hospital e a universidade se reuniram para tratar de homens cujas circuncisões correram mal mas foi a primeira vez que conseguiram a realização de um transplante, o qual obteve os resultados desejados.

A cirurgia durou um total de nove horas e foi realizada num jovem de 21 anos. A amputação do pénis teria sido feita três anos antes, depois de uma circuncisão mal feita que resultou numa infeção grave.

Publicidade
Publicidade

A referida circuncisão havia sido executada como ritual de iniciação tradicional africana.

O dador foi um homem que, antes de morrer, doou os seus órgãos para transplante. Neste momento, os médicos responsáveis por esta tentativa bem-sucedida, afirmam que o paciente já conseguiu recuperar as funções esperadas no pénis doado e encontra-se bem a nível físico e psicológico. Já havia sido realizado um transplante na China, em 2006. O mesmo obteve bons resultados mas o órgão acabou por ser retirado devido a "problemas psicológicos do paciente".

Já se prevê, no seguimento deste estudo do Hospital Tygerberg e da Universidade Stellenbosch, que outros nove pacientes realizem este tipo de operação. Ainda não existem datas definidas para que as cirurgias sejam realizadas.

O transplante peniano poderá ser uma opção também para outro tipo de pacientes como doentes de cancro ou até mesmo para homens com problemas muito graves de disfunção erétil (mas apenas como última alternativa).

Publicidade

O doutor Andre Van der Merew, chefe da unidade de urologia que dirigiu a cirurgia, afirma que "esta é uma situação muito séria" e que "a perda do órgão pode ser profundamente traumática".

A circuncisão é uma das mais antigas cirurgias do mundo (se não até a mais antiga). Os motivos para a sua realização são, normalmente, de ordem familiar, cultural ou religiosa. Estima-se que um em cada sete homens, em todo o mundo, seja circuncisado.