Foi alcançado, nesta quinta-feira, dia 2, um acordo geral sobre o futuro do programa nuclear do Irão, após uma maratona de negociações na Suíça com as seis potências mundiais. Teerão aceitou reduzir a sua capacidade de enriquecimento de urânio em troca de um alívio gradual das sanções económicas. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse que este era um "acordo histórico" com Teerão.

E agora que um compromisso político foi fechado, o Irão e o chamado P5+1 - Estados Unidos, Reino Unido, França, China, Rússia e Alemanha - têm como próximo passo a elaboração de um acordo nuclear final e definitivo até dia 30 de Junho.

Publicidade
Publicidade

As negociações entre as seis superpotências e a República Islâmica do Irão, que decorreram durante oito dias em Lausanne, continuaram para além do prazo original imposto, 31 de Março.

De acordo com os Estados Unidos, o acordo estrutural inclui várias resoluções, entre as quais a redução de dois terços do número de centrifugadoras instaladas no Irão - usadas para enriquecer urânio - e também do estoque de urânio de baixo enriquecimento. As centrifugadoras inutilizadas serão armazenadas e monitorizadas pela Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), e todas as instalações nucleares iranianas serão sujeitas a inspecções regulares da AIEA.

As sanções dos Estados Unidos e da UE, relacionadas com o programa nuclear iraniano, serão gradualmente levantadas, mas poderão ser aplicadas novamente caso o Irão não cumpra com as suas obrigações.

Publicidade

O presidente Obama disse que a implementação do acordo será observada de perto. "Se o Irão tentar enganar-nos, o mundo inteiro saberá, "disse o chefe de Estado norte-americano, acrescentando que o acordo não tem como base a confiança, mas uma "averiguação sem precedentes". Disse também que o acordo geral era "bom" e que tinha sido finalizado após "meses de uma diplomacia resistente e baseada em princípios".

A chefe da política externa da UE, Frederica Mogherini, disse, durante uma conferência de imprensa onde estava a seu lado o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano Javad Zarif, que este era um "passo decisivo" nas negociações. Mogherini disse ainda: "Conseguimos encontrar soluções para as questões-chave do plano de acção final." O P5+1 e o Irão vão agora começar a elaborar um "rascunho" do acordo definitivo "com base nas soluções" delineadas, acrescentou.

A notícia de que um acordo teria sido alcançado emergiu no Twitter, antes de a conferência de imprensa oficial ter decorrido. Zarif escreveu na rede social: "Soluções encontradas, pronto para começar o rascunho imediatamente." O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, também escreveu no Twitter: "Grande dia… De volta ao trabalho muito em breve para um acordo final." Já o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, usou o Twitter para declarar: "Qualquer acordo deve fazer recuar significativamente a capacidade nuclear do Irão e parar o seu terrorismo e agressão." #Política Internacional