As autoridades australianas estão em choque perante relatos relativamente a uma escola pública em Canberra que construiu uma "jaula" para uma criança com uma perturbação do espectro do autismo. A "jaula", de dois metros quadrados, foi construída na sala com o objectivo de ser um espaço de retiro para a criança. Perante esta situação, o director da escola foi retirado da mesma e colocado em funções administrativas na sede escolar. Entretanto, a ministra da #Educação local, Joy Burch, ordenou uma investigação e inquérito completo relativo à situação que lhe foi relatada uma semana antes, após alguém da comunidade escolar reportar a situação à Comissão dos Direitos Humanos.

Publicidade
Publicidade

A "jaula" seria feita a partir de uma vedação de piscina, com o intuito de ser um espaço onde o aluno poderia trabalhar. O espaço foi criado em março e, desde que se tomou conhecimento da situação, foi retirado da sala de aula. "As palavras não podem expressar a minha absoluta decepção e horror que alguém nas nossas escolas possa considerar que uma estrutura deste tipo, em qualquer situação, possa ser aceitável.", disse a ministra a jornalistas.

Especialistas em educação afirmam que crianças com autismo ou outras necessidades especiais podem beneficiar de um espaço silencioso, no qual possam fazer o seu trabalho ou onde se possam acalmar quando se tornam muito agitadas. Diane Joseph, Directora-geral da Direção de Educação e Formação, refere que a decisão da escola foi "completamente inapropriada e inaceitável" e que "levanta imensas questões", acrescentando que "esta não é a forma como os nossos alunos deveriam ser tratados e trata-se de um acontecimento isolado".

Publicidade

Segundo Joseph, a estrutura foi colocada na sala de aula desde 10 de março até dia 27 do mesmo mês. A sua primeira prioridade foi assegurar suporte para o estudante e a sua família e destacar mais dois professores de educação especial para a escola.

Uma Perturbação do Espectro do Autismo (PEA) é uma perturbação do neuro-desenvolvimento, caracterizada principalmente por défices na interação social e na comunicação verbal e não-verbal, assim como por comportamentos e interesses restritos e estereotipados. Segundo um estudo efetuado em Portugal em 2007, uma Perturbação do Espectro do Autismo ocorre em cada 1 de 1000 crianças em idade escolar, afetando mais rapazes do que raparigas. Em Portugal, estas crianças são protegidas pelo Decreto-Lei 3/2008, que define os apoios especializados a prestar a crianças a partir da idade pré-escolar até ao ensino secundário, tendo como objetivo o acesso e sucesso educativo, estabilidade emocional, promoção da igualdade de oportunidades, preparação para a vida profissional, inclusão educativa e social e autonomia. Para mais informações sobre esta perturbação do desenvolvimento consulte o site da Associação Amigos do Autismo.