Os EUA estão preocupados com a actividade militar da China, que é acusada de ter construído uma "grande muralha de areia". Em causa está a expansão da China no Mar do Sul da China que com esta construção já galvanizou mais 4 quilómetros quadrados de terra. Para os EUA, esta actividade chinesa causa preocupação face às intenções territoriais da China. O Almirante Harry Harris Jr. confirmou que a China tem destruído recifes de corais submersos para criar uma pavimentação em cimento.

O Comandante da Frota Americana do Pacífico afirmou, numa conferência na Austrália, que a China já criou mais de 4 quilómetros quadrados de massa de terra artificial.

Publicidade
Publicidade

Mas o preocupante, disse Harris, é a estratégia da China em recuperar terra numa escala sem precedentes, anunciou a Rússia Today. A China está a destruir as suas próprias belezas naturais, desviando a atenção das belas ilhas naturais para a "construção de uma grande parede de areia com ruído de camiões e escavadoras há meses", disse o almirante que também documentou: "no arquipélago Spratly, os recifes submersos estão a ser substituídos por ilhas artificiais com prédios, cais de embarcações e pistas de aterragem".

No princípio de Março, as Filipinas e o Vietname apresentaram ao governo chinês um protesto diplomático por a China ter abusado de limites territoriais das zonas marítimas destes países. Para além das Filipinas e do Vietname, a China tem também disputas territoriais marítimas com o Brunei, Tailândia e a Malásia.

Publicidade

"A China é um indicador acerca da estabilidade da região, observá-la é saber se está a dirigir para o confronto ou para a cooperação", referiu o Comandante Harris, realçando as preocupações norte-americanas e dos vizinhos da China em saber se estas novas ilhas artificiais servirão propósitos militares.

A China mantém a vizinhança atenta. Porque também a Austrália e o Japão têm um acordo de cooperação militar para se proteger dos avanços estratégico-militares da China. E os EUA invocaram um acordo com o governo chinês de 2002 em que "a China se compromete a se auto-controlar em actividades que possam escalar disputas e afectar a paz e a estabilidade".

A China respondeu que a estratégia territorial chinesa tem um fundamento histórico e que os EUA estão a interferir nessa disputa.

Esta declaração pública americana pode ser vista como uma distracção na opinião #Política Internacional e justificar o aumento da presença militar na região. Harris Jr. afirmou que os EUA estão actualmente a preparar-se para colocar 60% da força naval americana no Pacifico até 2020.