Quando, nos dias seguintes à tragédia, se começou a perceber o que aconteceu a bordo da A320, da Germanwings, Andreas Lubitz passou a ser o alvo de todos. Mas há quem não o odeie e entenda que a doença mental explique o desastre. Anneli Tiirik namorava há quatro anos com Paul Bramley, que viajava no voo da low cost alemã. Embarcou rumo a Dusseldorf mas nunca chegou. A namorada revela que, quando soube o que aconteceu, entrou em estado de choque e não conseguia encontrar uma explicação para a tragédia. Dias depois, quando o co-piloto foi dado, pelas investigações, como o culpado da queda do aparelho, o ódio dos familiares e amigos dos 149 passageiros que estavam a bordo, passaram a concentrar-se no jovem alemão.

Publicidade
Publicidade

Anneli Tiirik garante que iliba Andreas Lubitz. "Não consigo culpar ou odiar alguém sabendo que essa pessoa estava doente", disse a namorada da vítima ao Sunday People. Anneli pede à Lufthansa, responsável pela empresa Germanwings, para que "antes de culpar ou perceber as razões de Lubitz, deveria concentrar forças em encontrar um sistema que não permita que, este tipo de pessoas (doentes), possam ter o controlo do avião".

Investigações à casa do co-piloto revelaram que este estava de baixa médica, devido a perturbações psicológicas, e que no dia da tragédia estava impedido de voar. Nos registos do co-piloto estava referida uma depressão, sofrida em 2009, mas os relatórios médicos encontrados demonstraram que não estava ainda ultrapassada. Lubitz disse à ex-namorada que ia fazer "algo que entrasse para a história e que todos iam saber o seu nome".

Publicidade

A gravação das duas caixas negras do avião, encontradas dias depois, não deixam margem para dúvidas: Lubitz atirou voluntariamente o avião contra os Alpes franceses, arrastando para a morte 149 pessoas, entre elas dois bebés, estudantes de secundário, cantores de ópera e famílias inteiras. Depois de se descobrirem as causas da tragédia, todas as companhias aéreas proibiram que o cockpit fique apenas com uma pessoa, sendo obrigatório que, quando sai o piloto ou o co-piloto, um dos membros da tripulação deve entrar para o cockpit.