Annegret Raunigk é uma cidadã alemã que aos 65 anos será novamente mãe, mas de quatro. A mulher recorreu a inseminações artificiais utilizando óvulos e esperma de dadores com o intuito de satisfazer o desejo da sua filha mais nova, com 9 anos, de ter um irmão. A inseminação excedeu as expectativas e Annegret ficou grávida de quadrigémeos numa idade em que engravidar é pouco habitual.

Mãe de treze filhos e também já sete vezes avó, a alemã voltou a ficar grávida e a aumentar a família. Apesar da surpresa e dos riscos que a gravidez acarreta, Annegret Raunigk recusou reduzir o número de gémeos que espera, ou até mesmo abortar, como foi sugerido pelos médicos.

Publicidade
Publicidade

"Foi um choque. Falei com meu ginecologista. Reflecti e tomei a decisão que, no fundo, eu já sabia", assegurou à imprensa local, nomeadamente ao tabloide Bild. A alemã afirmou ainda ao jornal alemão que não tem medo de seguir com a gravidez, acreditando que está de boa saúde e em forma.

Professora de inglês e russo, a mulher de 65 anos, prestes a reformar-se, fez um tratamento de fertilidade durante 18 meses, sendo submetida a uma inseminação artificial com óvulos e espermatozóides doados. A última inseminação feita foi bem-sucedida, os quatro óvulos implantados foram todos fecundados, o que dá a possibilidade à mulher alemã de aumentar os seus descendentes e ficar com 17 filhos. Grávida de 21 semanas, a alemã está a ser acompanhada por médicos especializados para garantir que a gestação decorre normalmente.

Publicidade

Se a gravidez acontecer sem percalços, a professora poderá vir a ser a mãe de quadrigémeos mais velha do mundo, asseguram vários meios de comunicação.

O caso insólito suscitou interesse e, por esse motivo, foi primeira página da imprensa local. Annegret Raunigk já tinha despertado a atenção dos meios de comunicação social, tanto nacionais como internacionais, quando tinha 55 anos e deu à luz a sua última filha, Leila. O filho mais velho tem agora 44 anos. A história da sua gravidez será alvo de um documentário.