Amesterdão, capital da Holanda, foi palco de uma manifestação de aproximadamente 250 pessoas, entre prostitutas e apoiantes, contra o fim das lojas de prostituição no afamado "bairro das luzes vermelhas". Com máscaras a taparem os rostos, as mulheres apresentaram-se na manifestação com cartazes com mensagens do género: "Não nos salvem, salvem as nossas montras". Sentem-se discriminadas, reclamando o facto de não terem sido escutadas sobre este assunto. Com o argumento de que a prostituição é uma profissão legal no país, referem que devem ser levadas em consideração pela classe política. Durante a manifestação, a maioria das montras destas trabalhadoras do sexo apresentavam-se vazias.

Publicidade
Publicidade

Em seus lugares estavam cartazes onde se lia: "Estão a tirar-nos o emprego".

Por seu turno, o município de Amesterdão encerrou até ao momento 115 das 500 montras do "bairro das luzes vermelhos", uma das principais atracções turísticas desta capital holandesa, com a justificação de ser uma das soluções encontradas para terminar com a taxa de criminalidade e do tráfego humano nesta parte da cidade. No entanto, sabe-se que aproximadamente sete mil pessoas trabalham no comércio do sexo nesta cidade, sendo que 75% das profissionais são pobres e têm nacionalidades de países da Europa Oriental.

Neste país europeu a prostituição é uma profissão legal desde 2000. O "Red Light District" é afamado por ser uma zona da cidade onde as mulheres se exibem nas montras, além de possuir cabarés e lojas com artigos eróticos.

Publicidade

Primeiro Museu de Prostituição do mundo

É no bairro "Red Light District", em Amesterdão, que se localiza, desde 2014, o primeiro Museu de Prostituição do mundo. O negócio do sexo e a história desta que é considerada a profissão mais antiga da humanidade são retratadas ao longo dos anos. A acompanhar encontram-se inúmeros objectos eróticos e sadomasoquistas, bem como um quarto de luxo e uma banheira de hidromassagem. A "biblioteca" da prostituição localiza-se num antigo bordel com vistas para o canal da cidade. Os visitantes, no final da visita, podem deixar as suas "fantasias" afixadas num confessionário especial. #Turismo