Milhares de hologramas foram os insólitos protagonistas da primeira manifestação virtual, que realmente aconteceu no local físico a que era destinado. Aconteceu esta sexta-feira, dia 11, com início às 21h30, um protesto organizado pelo movimento 'No Somos Delito', que reclama a revogação da Lei de Protecção e Segurança dos Cidadãos, também apelidada de 'Lei da Mordaça', que entrará em vigor no primeiro dia do mês de julho.

Esta manifestação foi convocada pelas redes sociais, e aderiram milhares de pessoas de todo o mundo, que enviaram os seus vídeos com protesto, que mais tarde foram transformados em hologramas e exibidos em frente ao Congresso de Deputados, situado na Praça das Cortes, em Madrid.

Publicidade
Publicidade

A maior parte dos hologramas seguravam cartazes de protesto, e até marcharam dando a volta ao quarteirão, sempre suportados pelo feixe holográfico que lhes dava 'vida'.

Esta lei de segurança está a causar polémica porque dificulta a vida a quem queira organizar manifestações na rua, levando a que esta ideia fosse também simbólica e representativa. A porta-voz do movimento No Somos Delito, Alba Villanueva, disse à imprensa que este protesto demonstra a oposição dos cidadãos a esta nova lei, e que o movimento pretende demonstrar ao mundo a forma surrealista com que no futuro serão obrigados a manifestar-se, de forma não-carnal, convertendo, assim, a sociedade em algo fictício, caso esta lei não seja revogada.

O movimento No Somos Delito é composto por juristas e activistas, e tem como único objectivo impedir que a conhecida Lei da Mordaça não entre em vigor.

Publicidade

Para que isso não aconteça, convocaram esta manifestação pelas redes sociais, onde aderiram também muitos portugueses, que enviaram vídeos e ficheiros áudio, que foram transmitidos durante a manifestação em frente à sede dos deputados espanhóis.

As entidades governamentais ainda não se pronunciaram, mas este protesto já está a causar furor a nível internacional, sendo já motivo de debate por parte de alguns académicos norte-americanos, que vêm aqui o futuro das manifestações.