As vendas da McDonald's em todo o planeta caíram 2,6% no primeiro trimestre deste ano, em comparação com as suas competidoras, anunciou a empresa. Houve perdas em todos os segmentos de mercado, disse a McDonald's. Mas a maior perda foi no Médio Oriente e na Ásia-Pacifico, onde as perdas chegaram aos 8,3%. Só se compreende o significado desta queda através dos valores da receita total, que caiu 11%. O lucro líquido (receitas com despesas incluídas) caiu 32,6%, enquanto as acções caíram para 31% (84 cêntimos).

A actual administração da McDonald's, presidida por Steve Easterbrook, anunciou que o aumento de salários, a revisão dos menus e o encerramento de lojas serão as primeiras medidas a tomar para impedir o anunciado saldo negativo. Mas a medida mais importante será a de começar a incluir frango saudável, para tentar acabar com a péssima reputação do frango da McDonalds, alegadamente baseado em alimentação de rações transgénicas.

A McDonald's tem perdido competitividade porque o público se orientou para a comida mais saudável, algo em que a empresa perde pontos. Agora a McDonald's começa a entender que se deve preocupar mais com os aspetos relacionados com a saúde.

Uma outra medida vai ser aumentar a satisfação dos seus trabalhadores, aumentando-lhes os salários e as horas-extra, algo que se trata de uma reivindicação antiga. O protesto por melhores salários dos trabalhadores de lojas concessionadas da McDonald's fez eco na imprensa na passada semana.

A McDonald's tem conhecido aceleradas mudanças dentro da empresa. A actual gestão de Easterbrook quer "desenvolver um plano de recuperação para melhorar o desempenho". "Estamos ansiosos por partilhar o nosso plano no dia 4 de Maio de 2015", disse Easterbrook à imprensa.

Uma maior informação dos consumidores e a evolução das preferências de consumo geraram uma queda nos lucros da McDonald's. Mas não só. Também um sector mais competitivo, com menus mais atraentes e saudáveis, afastou os consumidores da cadeia de comida rápida. A empresa tem 36.000 restaurantes em todo o mundo. #Negócios