Foi eleito deputado estadual no Rio Grande do Sul, Brasil, no dia 6 de Outubro do ano passado e surpreendeu todas as sondagens quando reuniu mais de 40 mil votos. Mário Jardel foi um dos expoentes máximos do futebol brasileiro na Europa, levando o nome do país além fronteiras e protagonizando autênticas guerras de gigantes pelo seu passe.

De uma carreira de sonho, que até teve honras numa canção interpretada por Rui Veloso, Mário Jardel não soube lidar com as mudanças e mostrou-se vulnerável a todo o tipo de vícios. Desde o uso de drogas, às acusações de violência doméstica feitas pela ex-mulher, Karen, até ao facto de ter caído no mais escuro caminho que desacreditou tudo e todos.

Publicidade
Publicidade

Jardel foi um dos melhores goleadores que passou pelo campeonato português, altura em que vestiu as camisolas de Sporting e FC Porto.

Depois do mergulho no mundo dos vícios e das drogas, Jardel reapareceu gordo, fora de forma e completamente incapacitado para regressar aos relvados. Como a idade não perdoa, o ex-jogador resolveu desaparecer uns tempos e deu o ar da sua graça quando revelou que ia concorrer às eleições estaduais brasileiras, pelo partido que em Portugal equivale ao PSD (Partido Social Democrata).

Reuniu mais de 40 mil votos e ocupou o seu lugar na Assembleia. Ao longo destes meses resolveu "limpar" a casa e despediu 17 dos 21 funcionários. A chefe de gabinete explicou que a atitude do deputado tem fundamentos diferentes mas alguns passam por motivos criminosos: corrupção, extorsão e lavagem de dinheiro.

Publicidade

Cristian Lima afirmou à Rádio Guaíba que Mário Jardel "quer gente íntegra e sem processos judiciais que deixem dúvidas sobre a seriedade das mesmas".

Um dos funcionários que ainda se mantém em funções diz que o ex-jogador aparentava estar num estado emocional pouco estável e nem sequer explicou aos colegas os motivos do despedimento. Sem dar explicações, Mário Jardel viu de novo os focos postos em si e recorreu à baixa médica para desaparecer. Segundo a chefe de gabinete, o deputado está a seguir "as ordens do médico", mas a imprensa brasileira levanta já a hipótese de depressão. A dúvida deverá ser desfeita ainda esta semana, já que dia 10 de abril termina a baixa médica do actual deputado, que está em parte incerta e incontactável. #Famosos #Política Internacional