O navio com bandeira portuguesa que socorreu os migrantes que caíram ao mar Mediterrâneo, no domingo passado, 19 de Abril, poderá ter sido o causador do naufrágio. A notícia é avançada pela televisão norte-americana CNN citando um porta-voz do Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Aquele naufrágio, que tem estado a agitar alguns organismos mundiais, sobretudo da União Europeia, causou a morte de cerca de 800 migrantes.

A embarcação egípcia que transportava entre 800 e 850 migrantes com destino a Itália naufragou nas proximidades do Sul da ilha italiana de Lampedusa. Na zona estava a navegar o "King Jacob", um navio registado no Funchal e propriedade de uma empresa de Hamburgo (Alemanha).

Publicidade
Publicidade

A embarcação, que ostentava bandeira portuguesa, terá sido contactada pelo Centro Coordenador de Buscas e Salvamento Marítimos de Itália para socorrer os náufragos, tendo conseguido resgatar alguns sobreviventes.

Agora, Carlotta Asami, porta-voz do Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados aponta como causa daquele naufrágio uma onda provocada pela passagem do "King Jacob". Um anúncio feito após o depoimento, considerado credível, de alguns sobreviventes, dá conta de que o navio de bandeira portuguesa estava muito perto da embarcação, onde seguiam as centenas de migrantes, originando uma grande onda que fez com que a mesma se virasse.

Este naufrágio, ocorrido dias depois de um outro que provocou a morte de cerca de 400 migrantes, também no Mar Mediterrâneo, levou os chefes de Estado e de Governo da União Europeia a promover um Conselho Europeu extraordinário para debater os vários "massacres" que têm acontecido naquela região. Uma reunião que o primeiro-ministro português, Pedro Passos Coelho, espera produtiva em termos de decisões sobre a migração ilegal que, na sua opinião, é um problema de todos os estados-membros.

Publicidade

Também o Papa Francisco reagiu à tragédia apelando à comunidade internacional que actue rapidamente para evitar novas tragédias, considerando que as vítimas são pessoas que procuram uma vida melhor e felicidade. #Política Internacional