A nova norma será colocada em prática nos próximos meses, numa decisão inédita por parte do Governo de Teerão. O levantamento da proibição das mulheres iranianas assistirem a eventos desportivos masculinos, ainda que de forma parcial, surge depois de uma jovem presa durante cinco meses ter levado a questão para a agenda internacional. A decisão foi este sábado revelada pela agência noticiosa IRNA. Ainda de acordo com esta agência estatal, o vice-ministro dos Desportos, Abdolhamid Ahmadi, já confirmou a divulgação de um "regulamento abrangente para a presença de famílias iranianas e mulheres em estádios desportivos" e que será apresentado no Conselho de Segurança Nacional.

Publicidade
Publicidade

No entanto, nem todos os desportos masculinos poderão contar com a presença de mulheres na plateia, sendo que o levantamento da proibição é apenas parcial. Em declarações à agência noticiosa Reuters, Abdolhamid Ahmadi referiu que, "como é óbvio, [há] algumas áreas do desporto [nas quais] as famílias não estão interessadas em assistir nem há a possibilidade de que o possam fazer". Contudo, ainda não foram especificados os desportos que não permitirão mulheres a assistir.

A decisão do Governo de Teerão é vista como mais uma abertura do regime conservador e surge na semana em que foi assinado o princípio de um acordo histórico para o controlo do desenvolvimento nuclear iraniano. As mulheres estão proibidas de assistir a eventos desportivos masculinos pela lei islâmica no Irão, considerando que estas devem ser protegidas do comportamento indecoroso do público masculino do desporto.

Publicidade

Todavia, as mulheres estrangeiras não são abrangidas pela proibição desde Janeiro deste ano, devido a uma alteração na norma.

A proibição da presença feminina em eventos desportivos masculinos saltou para a agenda internacional devido à prisão de uma jovem britânico-iraniana de 25 anos por ter assistido a um jogo de voleibol em Teerão. O caso gerou rapidamente uma grande mobilização, acabando por ganhar contornos políticos. Ghavami foi libertada em Novembro do ano passado, depois de pagar uma fiança.