A estação norte-americana CNN afirmou que vários dos emigrantes ilegais que foram salvos indiciaram uma embarcação com bandeira portuguesa como a causadora dos naufrágios. O barco terá provocado uma onda de grandes dimensões ao tentar acudir o pedido de socorro da primeira embarcação tendo virado os outros barcos. A estação norte-americana disse ainda ter tentado entrar em contacto, várias vezes com os responsáveis pelo navio King Jacob (o suposto navio de bandeira portuguesa), mas sem êxito.

A tragédia tem levado várias entidades da União Europeia a reunir-se. Já não é a primeira vez que acontece um naufrágio e uma tragédia destas proporções de embarcações provenientes da Líbia. Está em perspectiva uma facilitação da entrada na UE de modo a que estas situações possam ser evitadas. Estima-se que anualmente vários barcos se afundem e ocorram mortes de emigrantes provenientes da Líbia sem que haja conhecimento.

A UNICEF apresentou hoje um comunicado expondo a gravidade da situação. Alega que, sempre que acontece um naufrágio, os custos humanos e monetários são elevadíssimos e que geralmente os transportes são feitos em condições desumanas e muitas vezes com crianças. Pede que "todas as acções sejam guiadas pelo interesse superior" destas pessoas e principalmente das crianças.

Segundo citações de Carlotta Asami, porta-voz do Alto-Comissário das Nações Unidas, que terá conseguido falar com alguns dos refugiados sobreviventes, uma possível causa para a tragédia foi uma grande onda. "Eles afirmam que houve uma altura em que o navio português estava tão perto que a ondulação fez virar o barco" diz Carlotta Asami, após ter falado com algumas das pessoas salvas, já na cidade de Catânia em Itália.

Fundamentada pelos relatos dos sobreviventes, a veracidade da informação de que estariam a bordo mais de 800 pessoas no navio no momento do naufrágio a cerca de 70 milhas da costa da Líbia foi classificada como credível. Relatos anteriores apontariam o número de pessoas a ser transportadas na embarcação para entre 700 a 950. As operações de resgate ainda estão a decorrer, mas apenas se conseguiram resgatar 28 sobreviventes e 24 cadáveres. Os sobreviventes foram todos salvos pela embarcação portuguesa King Jacob. #Televisão