Vive numa reserva natural do Quénia chamada 'Ol Pejeta', é acompanhado 24 horas por dia por guardas armados que o tentam proteger de caçadores furtivos e foi-lhe removido o chifre de marfim por precaução. Sudan é o nome do último rinoceronte-branco do mundo e representa a derradeira tentativa de salvar a espécie da extinção. Existem apenas quatro fêmeas e Sudan, o último rinoceronte-branco macho do planeta. Por isso, embora seja acompanhado por rangers armados, a cobiça de caçadores furtivos torna a sua preservação e proteção numa missão arriscada e quase impossível.

Para torná-lo menos apetecível, e numa altura em que a procura pelo marfim dos chifres de rinoceronte tem vindo a aumentar, foi-lhe removido o chifre de marfim que poderia render cerca de 75 mil dólares por quilo.

Publicidade
Publicidade

No entanto, a vida dos militares que o protegem e acompanham 24 horas por dia continua em risco.

A tentativa de salvar a espécie da extinção torna real o risco de vida daqueles que tentam defender o rinoceronte-branco. Das quatro fêmeas existentes em todo o mundo, duas vivem na mesma reserva natural que Sudan, no Quénia, uma num Jardim Zoológico na República Checa e outra num zoo de San Diego, na Califórnia (Estado dos Estados Unidos da América).

Os esforços de proteção de Sudan justificam-se pela expectativa de que o macho consiga procriar, naquela que é a última tentativa e oportunidade para preservar o rinoceronte-branco do norte. Contudo, Sudan, com 40 anos, já está muito perto da esperança média de vida da sua espécie.

Segundo revela a publicação britânica "The Independent", os cuidados com o rinoceronte são de tal modo intensos, que o animal chega mesmo a transportar transmissores de rádio.

Publicidade

Hoje, Sudan é o último rinoceronte-branco macho do mundo. Contudo, há pouco mais de 50 anos, em 1960, e de acordo com os dados do "Worl Wide Fund", havia mais de 2000 rinocerontes-brancos no planeta. O aumento da procura por marfim dos chifres de rinoceronte levou a que, em 1984, o número tivesse reduzido para apenas 15. Em 2015, sobram apenas cinco da estirpe. #Natureza