Se for rapariga saiba que não deve correr para não perder a virgindade. A história é quase anedótica mas está a acontecer numa escola islâmica situada na Austrália. De acordo com as informações disponíveis, o director deste estabelecimento, Omar Hallak, acredita "que se as mulheres correrem excessivamente podem perder a virgindade".

De acordo com o jornal australiano The Age, um antigo professor da escola Al-Taqwa de Melbourne denunciou ao Estado federal que o director desta escola acreditava existirem "provas científicas que demonstram que se as raparigas ficarem feridas (…) podem ficar estéreis". A história está a ser noticiada um pouco por todo o mundo e levou mesmo a que o ministro do estado de Victoria para a #Educação, James Merlino, pedisse a abertura de um inquérito para se comprovar tais acusações.

Publicidade
Publicidade

A proibição terá sido imposta em 2013, mas no ano passado terá sido alargada também às alunas da primária. Segundo uma carta publicada no mesmo jornal, e dirigida ao director da escola, pode ler-se que os ensinamentos do profeta Maomé não proíbem "as raparigas de correr. Desde que se use o vestuário apropriado". Esta é uma escola privada que conta com cerca 1700 alunos, cujas idades variam entre os cinco e os 18 anos.

O director Omar Hallak havia sido notícia já no mês passado quando se soube que havia pedido aos seus alunos para não aderirem a nenhum movimento do Estado Islâmico porque, afirma o próprio, tudo faz parte de uma conspiração dos Estados Unidos da América e Israel com vista aos recursos petrolíferos que existem no Médio Oriente. A confirmar-se agora que estas acusações estejam correctas, trata-se de um caso de extrema preocupação.

Publicidade

No ano passado surgiram também notícias de que as mulheres da Arábia Saudita haviam também elas sido proibidas de correr, mas não por uma questão sexual, mas sim por se acreditar que uma mulher ao correr iria perder a decência e que posteriormente não encontraria nenhum homem com quem casar. Já em 2004 algumas personalidades deste país asseguravam também que a virgindade podia ser afectada por excesso de movimentos.