O violento sismo que abalou o Nepal no passado sábado, 25 de abril, foi "previsto" por um grupo de estudiosos franceses. Estes investigadores fizeram trabalhos de campo na principal falha tectónica do país, para a Comissão de Energia Atómica e Alternativas, um instituto de investigação parisiense. A conclusão a que chegaram foi que os tremores de terra naquela região do globo terrestre surgem de forma cíclica, com intervalos de aproximadamente 8 décadas. O histórico sísmico nepalês demonstrou que este terramoto de magnitude 7.8 na escala de Richter seguiu o mesmo padrão de outro abalo ocorrido em 1934 e que tirou a vida a cerca de 17.000 pessoas.

Publicidade
Publicidade

Segundo a BBC, esta equipa liderada por Laurent Bollinger percebeu que um novo abalo era previsível e iminente, uma vez que o sismo ocorrido há 81 anos tinha colocado uma enorme tensão ao longo da principal falha tectónica do país, no seguimento de outros registos recolhidos que sugerem um certo ciclo sísmico, e que foi libertada no sábado.

Quando um grande abalo ocorre, é comum que o movimento tectónico transfira tensão, e esta tensão acumula e liberta-se num prazo médio de 8 décadas. Isso terá acontecido em 1255 e, durante os 89 anos seguintes, essa mesma pressão acumulou-se num segmento leste da falha nepalesa provocando a rutura em 1344 e a consequente catástrofe. A história repetiu-se em 1934, com a pressão a transferir-se ao longo da falha tectónica e tendo culminado na libertação dessa tensão no dia 25 de abril de 2015.

Publicidade

Um dos estudos apresentados pela equipa de Laurent Bollinger à Sociedade Geológica do Nepal concluiu que o período de tempo entre grandes terramotos se mantém nos 80 anos, e que o país é propenso à ocorrência deste tipo de cataclismos. De recordar que o mais recente sismo vitimou cerca de 3.700 pessoas, número confirmado pelas autoridades nepalesas mas que tende a aumentar à medida que decorrem as operações de busca e salvamento. Todos os portugueses presentes no país asiático na altura do forte abanão estão a salvo e a caminho da Índia. #Catástrofes Naturais