A "Tokyo Electric Power" (TEPCO) já enviou um novo robô equipado com câmaras, um termómetro e um dosímetro para continuar o que o primeiro robô apenas conseguiu durante três horas: explorar o reator 1 da central nuclear de Fukushima. Em comunicado, a empresa explicou que o objetivo é que o novo equipamento, controlado remotamente, percorra metade da superfície do tanque de contenção da unidade 1. A recolha de dados sobre a radiação e temperatura do reator 1 e ainda a captação de imagens da estrutura são os restantes propósitos do envio de um segundo robô a Fukushima. O robô que apenas sobreviveu três horas na central nuclear foi enviado pelo TEPCO na passada sexta-feira e permitiu ver, pela primeira vez, o interior daquela unidade desde março de 2011, quando um terramoto e tsunami atingiram a central.

Publicidade
Publicidade

Contudo, ao fim de três horas e de 15 metros percorridos, o primeiro robô enviado pela operadora da central nuclear de Fukushima acabou por desaparecer. Estava estimado que o equipamento fosse capaz de enviar informações durante dez horas, mas acabou por resistir menos tempo do que o esperado.

Os atuais níveis de radiação encontram-se em valores extremamente altos, sendo que menos de uma hora de exposição representa a morte para um servhumano. Desde o acidente nuclear em 2011 que os elevados níveis de radiação nas estruturas dos reatores 1, 2 e 3 impossibilitaram qualquer acesso ao seu interior por parte dos técnicos. Desta forma, não tem sido possível verificar o estado em que está o combustível fundido dentro das unidades.

O terramoto e tsunami de Março de 2011 devastaram a província japonesa de Fukushima.

Publicidade

A catástrofe provocou 1607 mortos, sendo que desde então são muitas as pessoas que têm perdido a vida devido às complicações de saúde. De acordo com informação revelada pela agência Agence France Presse, o desastre na central nuclear já tinha provocado a morte 1656 pessoas até Fevereiro de 2014. Recorde-se que o terramoto e o tsunami geraram vários problemas técnicos na central de Fukushima e que a TEPCO não tem conseguido controlar.