O corpo de Osama Bin Laden não terá sido atirado para o Oceano Índico. Esta é a versão oficial das autoridades norte-americanas. Contudo, o jornalista Seymour Hersh (também ele oriundo dos Estados Unidos) afirma que não foi isso que aconteceu. Num texto publicado no London Review of Books e reproduzido em diversos órgãos, o jornalista escreve que o corpo do fundador da al-Qaeda terá sido "desintegrado" com as rajadas de tiros. A fonte de Hersh será um alto dirigente, actualmente aposentado, dos serviços de espionagem dos Estados Unidos da América.

Hersh, já distinguido com um prémio Pulitzer, afirma que Bin Laden já era prisioneiro dos Serviços de Inteligência Militar do Paquistão desde 2006, em Abbottabad.

Publicidade
Publicidade

Um alto funcionário desse organismo terá passado a informação à CIA a troco de dinheiro e, depois, o Paquistão não pôde "barrar" o acesso aos #EUA. Tinham, contudo, que assegurar que o líder terrorista não saía vivo da cidade onde estava em cativeiro.

Nova versão surge quatro anos depois da morte de Bin Laden

Em 2011, as forças militares especiais norte-americanas mataram Bin Laden no local onde estava escondido, com rajadas de tiros que terão mesmo desintegrado o seu corpo. É uma versão contrária à que foi anunciada oficialmente por Barack Obama, segundo a qual o cadáver teria sido atirado ao oceano Índico a partir de uma embarcação militar. A violência do ataque foi, na altura, explicada com a posse de uma pistola automática por parte de Bin Laden.

Também de acordo com o texto de Seymour Hersh, o grande responsável pela captura e morte do fundador da al-Qaeda terão sido os Serviços de Inteligência Militar do Paquistão, alegando que as autoridades dos EUA só foram conduzidas a Bin Laden pelos espiões paquistaneses.

Publicidade

Casa Branca nega versão de Hersh

A Casa Branca apressou-se a desmentir a versão da morte de Bin Laden narrada por Hersh. O porta-voz adjunto do Conselho de Segurança da Casa Branca emitiu um comunicado acusando o texto do jornalista de ter "demasiadas imprecisões e afirmações sem fundamento". O responsável garantiu também que a captura e abate de Bin Laden se tratou de uma operação unilateral dos EUA, que só informaram as autoridades paquistanesas depois de concluída a missão. #Terrorismo