O site de viagens TripAdvisor estava longe de imaginar que as excelentes críticas que atribuiu ao Hotel Ninawa suscitariam o alvoroço que acabaram por gerar. Em causa está o facto de este hotel, em Mosul, no Iraque, ter sido reaberto pelo Estado Islâmico (EI) com o propósito de servir o núcleo da rede jihadista. De acordo com o jornal 'Telegraph', que cita vários meios de comunicação árabes, o Hotel Ninawa tem 262 quartos e é a única unidade hoteleira em funcionamento na área territorial controlada pelos jihadistas na Síria e no Iraque. Isto porque depois de o grupo terrorista ter conquistado o controlo deste território, ordenou o encerramento de todas as infra-estruturas do género.

Publicidade
Publicidade

No site de viagens 'Tripadvisor ', o Hotel em causa recebeu quatro avaliações de 'excelente'. Os comentários, dicas e avaliações da plataforma ajudam milhares de viajantes a planear as suas férias. Um cliente descreve-o como detentor de uma "agradável sala de casamentos" e "adequado para encontros de família". É, aliás, com estes dois propósitos que o Estado Islâmico decidiu reabrir a unidade hoteleira. Um outro cliente elogiou os equipamentos disponíveis no hotel, nomeadamente a piscina, courts de ténis e ginásios, e também os "preços acessíveis".

A inauguração do Hotel Ninawa aconteceu no passado dia dois de Maio e realizou-se com pompa e circunstância, contando, por exemplo, com fogo-de-artifício. As fotografias da abertura foram divulgadas nas redes sociais, nomeadamente no Twitter.

Publicidade

Nestas imagens publicadas na internet é possível observar-se as bandeiras negras do Estado Islâmico hasteadas no exterior do prédio. O hotel foi rebatizado, passando a denominar-se de 'al-Waritheen'.

Mosul é a segunda maior cidade do Iraque e está sob controlo do Estado Islâmico desde Junho de 2014. Desde então, todos os cristãos foram expulsos, as instituições foram aniquiladas e os livros não islâmicos destruídos. Embora as escolas tenham reaberto, os ensinamentos devem seguir as orientações do currículo islâmico. #Terrorismo