No domingo passado, em Garland, Texas, #EUA, dois indivíduos armados tentaram invadir um recinto onde estavam 200 pessoas para assistir a uma exposição de arte que ridicularizava o profeta Maomé. Os homens armados tentaram alvejar o autor e ainda dispararam contra um segurança do evento, tendo-o ferido numa perna. A polícia texana declarou que os atacantes foram mortos.

O Estado Islâmico (EI) reivindicou a tentativa de atentado à exposição em Garland: "Dois dos soldados do califado atacaram uma exposição de arte em que o profeta Maomé era negado". E ameaçaram ainda mais a liberdade dos americanos: "Avisamos a América que o que aí vem será ainda maior e mais doloroso, e vereis os soldados do EI fazerem coisas horríveis".

Publicidade
Publicidade

Os terroristas islâmicos mortos pela polícia do Texas foram identificados como sendo Elton Simpson, de 31 anos, e Nadir Soofi, de 34; ambos partilhavam um apartamento em Phoenix, Arizona.

Mas o caso não ficou por aqui. O FBI anunciou recentemente que está na pista de guerrilheiros do EI em solo americano, disse a FoxNews. E um porta-voz da Casa Branca afirmou que o presidente Barack Obama "está particularmente interessado" na investigação da polícia do Texas.

Na terça-feira, o Sooper Mexican colocou um anúncio do EI em que o grupo diz que vai matar Pamella Geller, uma activista política e a organizadora da exposição de Garland, Texas. Na mensagem está escrito que o EI vai matar a activista e quem quer que a proteja. O grupo também revela na mensagem que tem 71 guerrilheiros operacionais em 15 estados norte-americanos.

Publicidade

E tem já 23 missões preparadas, como a de Garland (um ataque falhado). Abu Ibrahim Al Ameriki, o signatário da mensagem, disse que dos 15 estados mencionados só pode revelar 5, que são: Virgínia, Illinois, Califórnia, Maryland e Michigan. Também referiu que "os infiéis que mataram os nossos irmãos pensam que mataram alguém ingénuo, não, eles entregaram-vos os seus corpos, porque estamos a observar-vos".

A mensagem, intimidatória, destina-se principalmente a avisar da possibilidade de um atentado: "O ataque do EI na América é apenas o início das intenções de estabelecer uma 'ferida' (wiliyah) no coração do inimigo"; e refere que "o nosso objectivo é aniquilar Pamela Geller e não queremos saber em que terra ela se esconde e que céu a protege", diz a mensagem.

No passado os cartoonistas tem sofrido ataques islamitas por ridicularizarem Maomé. O caso do Charlie Hebdo foi o mais conhecido. Mas também o neto do pintor Van Gogh, Theo Van Gogh, foi assassinado em 2004, em Amesterdão por ter feito uma curta-metragem em que denunciava a opressão feminina no Islão. A ameaça a Pamela Geller demonstra a doutrina do grupo terrorista que não tolera a liberdade de expressão. #Terrorismo