A revelação é dos serviços secretos da Coreia do Sul, segundo os quais o ministro da defesa norte-coreano terá sido executado por desrespeito e deslealdade ao líder Kim Jong-un. Embora a execução tenha ocorrido a 30 de Abril, só agora foi denunciada a uma comissão parlamentar por Han Ki-Beom, vice-diretor da agência de Informações de Seul. De acordo com a informação avançada pela agência Yonhap, revelada pelo Governo da Coreia do Sul, centenas de funcionários assistiram à execução do ministro.

O motivo da execução de Hyon Yong-Chol, nomeado há menos de um ano para o cargo das Forças Armadas, estará no facto de ter adormecido durante um evento militar formal.

Publicidade
Publicidade

Este facto insólito foi a gota de água de um historial de sucessivas faltas de respeito a Kim Jong-un, acrescenta a agência Yonhap. O método escolhido para executar o ministro foi através do recurso a baterias antiaéreas, destinado em exclusivo a altos funcionários do regime de Pyongyang. Tornar estes casos exemplos para as restantes hierarquias do país é o propósito de Kim Jong-un.

Recorde-se que o líder norte-americano esteve desaparecido durante semanas, entre Setembro e Outubro do ano passado, com vários rumores a adensarem-se. Problemas de saúde e até um eventual golpe de estado foram algumas das hipóteses apontadas por vários meios de comunicação social. Kim Jong-un deixou de aparecer em eventos públicos depois de ter sido visto pela última vez em Setembro, quando assistiu a um concerto.

Publicidade

A ausência do líder na Assembleia Suprema do Povo levou a que os rumores se adensassem. No entanto, Kim Jong-un, conhecido pela sua tirania e frieza, acabou por reaparecer em público a 14 de Outubro de 2014. Contudo, nesta aparição surgiu de bengala

Ao fim de 40 dias desaparecido, o reaparecimento do líder norte-coreano deixou muitas perguntas sem resposta e as decisões de Kim Jong-un voltaram a chocar o mundo. Recorde-se que no início do ano passado, o líder da Coreia do Norte mandou executar a família do tio Jang Song-Thaek para mostrar força. #Política Internacional