As previsões do comando norte-americano de Defesa Aeroespacial apontavam para que a nave espacial não-tripulada russa, que está em queda desgovernada em direção à Terra, atingisse o planeta esta sexta-feira. E, de facto, parece que se confirmam. Na passada quinta-feira à noite começaram os avistamentos. Segundo a conta oficial de Twitter da Estação Espacial Internacional, foi possível ver a cápsula a passar sobre a América do Sul. A rede social foi imediatamente inundada de relatos de avistamentos na Argentina, logo seguidos de relatos vindos da Ásia, mais concretamente de Myanmar.

Um pouco por todo o mundo, as pessoas esperam agora para ver onde irá cair a Progress M-27M que, desde o passado dia 28 de abril, se encontra em queda desgovernada após uma falha nas antenas.

Publicidade
Publicidade

As últimas informações dão conta que a nave espacial se encontra já sobre o oceano Pacífico, local previsto para a sua queda. Contudo, os cientistas só poderão confirmar o local do embate daqui a umas horas, sendo já quase certo que ocorrerá esta madrugada.

Segundo as informações disponibilizadas pelo comando norte-americano de Defesa Aeroespacial, a reentrada na atmosfera irá incendiar a cápsula, pelo que a nave ficará reduzida a pequenos destroços que, em principio, não causarão grandes danos. Estima-se que apenas 20 a 40 por cento dos destroços cheguem, realmente, à Terra. Para os mais receosos, ficam os factos: é mais provável uma pessoa ser atingida por um raio do que pelos destroços da nave.

A Progress M-27M foi enviada da base de Baikonur, no Cazaquistão, com o intuito de reabastecer, com alimentos e combustível, os seis astronautas que se encontram na Estação Espacial Internacional.

Publicidade

Uma falha técnica desencadeou a sua queda e a nave esteve a dar voltas ao planeta desde que entrou em órbita. Os astronautas que ainda se encontram na estação espacial têm agora de esperar pelo envio de outra nave, o que está previsto acontecer durante o mês de agosto, embora tenham mantimentos e combustível para mais quatro meses. #Espaço