Menos de um mês depois do violento sismo que vitimou cerca de oito mil pessoas, o Nepal voltou a sentir um forte abalo de magnitude 7.4, esta terça-feira, dia 12 de Maio. O epicentro foi próximo do Monte Evereste, a cerca de 68 km, e há registos, até ao momento, de seis vítimas mortais, na Índia e Bangladesh.

Nepal, Índia e Bangladesh ainda não recuperaram do sismo do passado dia 25 de Abril, que, para além dos oito mil mortos, provocou uma onda de destruição por todos estes países, em especial Katmandu, capital do Nepal, onde 90% do património foi também destruído. Mas agora um novo abalo volta a sacudir a vida destes países.

Publicidade
Publicidade

A ocorrência, registada pelas 07:05 em Lisboa, 12:50 horas locais, teve na meia hora seguinte três réplicas de magnitude também elevada, todos na casa dos cinco e seis graus de magnitude.

Neste momento estão confirmadas as mortes de seis pessoas, quatro delas em Chautara, localidade montanhosa que fica entre a capital do Nepal e o local do epicentro do sismo, Nova Deli, na Índia. Há ainda registo de duas mortes relacionadas com o tremor de terra. Até agora estão também identificados cerca de 300 feridos, sendo que o número irá aumentar nas próximas horas, apesar de que este sismo, de acordo com as informações da Reuters, foi quatro vezes menos forte do que o do fim de Abril.

Perante este cenário as pessoas estão a concentrar-se no aeroporto de Katmandu, mas, de acordo com as autoridades, o mesmo encontra-se encerrado e com aqueles que se destinavam ao país a serem desviados.

Publicidade

Relativamente aos dois portugueses, Pedro Queirós e Lourenço Santos, que estavam no Nepal na altura do primeiro sismo e que ficaram para ajudar nas buscas no país, fizeram saber logo pela manhã, e através das redes sociais, que se encontravam bem e em segurança, apesar de não saberem os estragos que este novo sismo terá causado. Também os quatro elementos da AMI, que se encontram em Katmandu, tal como dois jornalistas que estavam a acompanhar a recuperação do último sismo, estão em segurança. #Catástrofes Naturais