O copiloto do voo da Germanwings que se despenhou em Março, nos Alpes Franceses, terá tentado fazer cair outro voo horas antes. O jornal alemão Bild refere que horas antes da viagem entre Barcelona e Dusseldorf, Andreas Lubitz teria tentado despenhar um outro avião que fazia o percurso inverso, entre Dusseldorf e Barcelona. Estas são as conclusões da análise à caixa negra da aeronave.

De acordo com a mesma fonte, o avião esteve em queda controlada sem justificação durante um "momento técnico de longa duração". Para as autoridades francesas, estes dados podem significar um ensaio ou mesmo uma tentativa falhada de despenhar o avião.

Publicidade
Publicidade

O certo é que, no dia 24 de Março deste ano, Lubitz despenhou mesmo deliberadamente um Airbus A320 nos Alpes Franceses. Além do copiloto da Germanwings, perderam a vida mais 149 pessoas.

Historial de problemas de saúde de Lubitz

Andreas Lubitz, com 27 anos de idade, tinha antecedentes de problemas mentais (depressão), que o levaram inclusive a interromper a formação na escola da Lufthansa em 2009. Na sua casa, o copiloto tinha várias baixas médicas rasgadas, que abrangiam o dia do acidente, pelo que nunca deveria ter estado ao serviço no voo 9525 de 24 de Março de 2015. O responsável teria também um historial de tendências suicidas, pesquisando informações sobre métodos de cometer suicídio.

A análise das caixas negras concluiu que Lubitz aproveitou uma ida do comandante do avião à casa de banho para se trancar no cockpit.

Publicidade

Antes do momento do embate nos Alpes Franceses, o comandante ainda tentou arrombar a porta, mas sem sucesso. A intencionalidade do acidente ficou evidente com a análise aos dados disponíveis, já que Lubitz aumentou inclusive a velocidade do piloto automático para aumentar a força do impacto.

Nos dias seguintes ao acidente, o Daily Mail adiantou que a Lutfthansa - proprietária da Germanwings - poderia ser acusada de homicídio involuntário. É que a companhia aérea não terá reportado a depressão de Lubitz às autoridades, permitindo que o piloto continuasse a trabalhar mesmo tendo conhecimento do seu estado de saúde. #Crime