Denominado como Waterloo Vintage, o Porto de 1815,manteve ao longo de duzentos anos a sua acidez e todas as suas características únicas. Este Porto com dois séculos de histórias é o mais antigo das Caves Ferreira e foi a leilão. Segundo a TSF, o vinho foi deixado por D. Antónia Adelaide Ferreira, uma das fundadoras da Casa Ferreira e foi preservado em óptimas condições nas suas caves de Vila Nova de Gaia. Fernando Guedes, da Sogrape, explica que as garrafas têm sido acompanhadas anualmente por várias equipas de enologia e garante que o Porto está perfeitamente consumível. Foi um acontecimento único. Nunca antes uma garrafa das Caves Ferreira tão antiga foi a leilão.

A iniciativa teve lugar em Londres. O leilão também pretendeu ser a comemoração do bicentenário da Batalha de Waterloo que, no mesmo ano de produção do vinho, deu à Inglaterra, conjuntamente com a Prússia, a vitória sobre Napoleão. Segundo Fernando Guedes, que já provou o Waterloo Vintage Port, a sua descrição é a de um vinho com bastante vida, com um vasto paladar exótico e mantendo o seu sabor. Confessa que já esteve na abertura de uma garrafa de Porto de 1815 e que é um verdadeiro tornado de emoções. Relata ser um momento sem igual, dizendo que "quando é aberto o Porto, na sala estão cerca de 25 pessoas. O silêncio enquanto o vinho é provado é algo dramático, sofisticado, de um cariz singular e intenso. Correm milhares de pensamentos na cabeça de quem o prova, pois estão ali dois séculos de história".

A Ferreirinha, como era conhecida D. Antónia Adelaide Ferreira, costumava dizer que "cada um na terra deve fazer o que estiver ao seu alcance para o bem da Humanidade" e por isso o valor arrecadado do leilão já tem destino e será doado na totalidade à Associação Portuguesa de Esclerose Amiotrófica. O valor base de licitação do mais antigo vinho das caves Porto Ferreira começou nas 4000 libras (cerca de 5400 euros) e a casa onde ocorreu o leilão foi a muito prestigiada Sothesby´s, sedeada na Torre de Londres. #Negócios #Curiosidades