A cantora não ganhou para o susto quando foi apanhada esta quinta-feira pelos protestos nas ruas de Paris contra a Uber. O carro alugado em que seguia Courtney Love partia do aeroporto para o centro da capital francesa quando foi atacado por taxistas. De acordo com vários tweets publicados pela viúva de Kurt Cobain, o seu motorista chegou mesmo a ser mantido como "refém".

A reação da compositora e atriz norte-americana não se fez esperar nas redes sociais. Na sua conta oficial no Twitter, a cantora de 50 anos publicou uma fotografia de vidro sujo, aproveitando para avisar Kanye West, um outro cantor norte-americano, e que também está em Paris, que terá de "esconder-se" dos piquetes de greve durante a viagem de regresso ao aeroporto.

Publicidade
Publicidade

Nos vários tweets, Courtney Love relata a experiência que viveu durante os protestos dos taxistas de Paris contra os serviços de partilha e aluguer de carros Uber. "Eles emboscaram o nosso carro. Estão a bater nos carros com barras de metal. É isto a França? Estava mais segura em Bagdad", refere a cantora. Pouco depois, num outro texto, interroga e dirige-se diretamente ao Presidente francês, François Hollande, perguntando: "Onde está a m*** da polícia?".

O relato prossegue, com os acontecimentos a agravarem-se: "Paguei a uns tipos em motas para nos tirarem dali" e os mesmos foram "perseguidos por uma multidão de motoristas de táxi, que atirou pedras, passámos por dois polícias e eles não fizeram nada", conclui a cantora.

Os protestos que apanharam Coutney Love cortaram vários acessos a Paris.

Publicidade

Em causa, segundo os taxistas parisienses, está a "competição selvagem" do serviço UberPop, uma vez que qualquer pessoa com viatura própria pode realizar serviços de transporte de passageiros. O cenário nas ruas da cidade da Luz é de caos, com vários carros incendiados, barricadas e concentrações juntos das estações de comboio e dos aeroportos.

Também em Portugal os serviços da Uber têm gerado controvérsia e contestação. No final do mês de Abril, o Tribunal Cível de Lisboa decidia que a empresa deveria encerrar o site e as operações no país. #Manifestação