Entre mexidas no IVA, nas pensões, impostos e outras despesas, a Grécia propõe-se a conseguir oito mil milhões de euros. A nova proposta de Atenas aproxima o país de um acordo com os credores internacionais, a poucos dias de expirar o prazo para evitar uma situação de incumprimento. As propostas terão efeito no Orçamento do Estado da Grécia deste ano e também do próximo. Apesar das concessões, há pontos em que Alexis Tsipras e Yanis Varoufakis não cedem.

De acordo com o Jornal de Negócios, a principal fonte de receitas virá das pensões e dos impostos. O Executivo grego propõe-se a introduzir restrições nas reformas antecipadas, aumentar contribuições para pensões e fundos suplementares e contribuições para os sistemas de saúde.

Publicidade
Publicidade

Atenas sugere uma taxa especial de 12 por cento sobre os lucros das empresas, a subida do IRC de 26 para 29 por cento (2016) e a taxa de solidariedade no IRS. O IVA terá agora três taxas, consoante a natureza do produto - o patamar mais elevado é de 23 por cento, que abrangerá produtos que actualmente pagam taxas mais baixas.

Poupança na Defesa só em 2016

A poupança na despesa com a Defesa fica para 2016, valendo 200 milhões de euros. Entre as restantes medidas agora avançadas pela Grécia está o aumento dos impostos sobre o jogo. Em 2015 só valem 35 milhões de euros, valor que sobe mais do que seis vezes no próximo ano, para os 225 milhões de euros.

Luxo será mais caro

Os produtos de luxo também sairão mais caros aos gregos, enquanto os impostos sobre a publicidade televisiva valerão, previsivelmente, 100 milhões de euros. Já as licenças de telecomunicações 4G e 5G renderão 350 milhões de euros aos cofres do Estado helénico.

Da poupança total, de quase oito mil milhões de euros (4,38 por cento do Produto Interno Bruto), cerca de 2.6 mil milhões serão conseguidos este ano.

Publicidade

Os restantes 5.2 milhões de euros surgirão em 2016. As novas propostas gregas foram apresentadas ontem, sendo bem recebidas pelo Eurogrupo e pelos chefes de Estado da zona #Euro, que já não descartam chegar a acordo ainda esta semana. #Política Internacional