A capital da Geórgia foi ontem, dia 14, o centro das atenções. No seguimento de inundações devastadoras que contam já com 12 mortes confirmadas, teme-se que existam ainda vários animais à solta, entre eles tigres, leões e hipopótamos. Fortes chuvas transformaram o rio Vere - que atravessa a capital - numa torrente que varreu dezenas de edifícios e carros. "O dano é substancial", disse o primeiro-ministro, Irakli Garibashvili, aos repórteres. Foi pedido aos moradores para ficarem em casa enquanto a busca pelos #Animais continua.

Segundo o diretor Zura Gurielidze, o jardim zoológico encontra-se praticamente destruído e a maioria dos animais foram encontrados mortos ou baleados.

Publicidade
Publicidade

"É uma tragédia inacreditável", disse. Três dos seus funcionários estavam entre aqueles que foram dados como mortos no desastre. Entre eles estava Guliko Chitadze, de 56 anos, que tinha sido atacada por um dos tigres do jardim zoológico no mês passado e perdeu um braço. Ela tinha acabado de voltar ao trabalho, não culpando o tigre pelo que aconteceu.

Imagens de um dos hipopótamos que escaparam podem ser vistas na Internet. O hipopótamo que escapou foi encurralado numa das principais praças da cidade no passado domingo e subjugado com uma arma tranquilizante. Foram ainda apreendidos outros animais, mas não se sabe quantos estão ainda à solta.

Entre as maiores tragédias para o zoológico é a perda de um leão branco raro chamado Shumba. Tornou-se uma das maiores atrações do zoológico por ter feito amizade com um cão, que lhe fez companhia quando a mãe de Shumba deixou de tomar conta dele.

Publicidade

O leão e o cão podiam ser visto juntos a brincar e a dormir.

Podem ser vistas várias imagens da tragédia na página de Internet do município de Tbilisi que mostram estradas submersas pela água e deslizamentos de terra com inúmeros veículos, enquanto equipas de resgate levam as pessoas pelos ombros, com água pela cintura. Esta chuva forte é incomum para esta época do ano, mas muitos dizem que o desenvolvimento descontrolado na área piorou as coisas, com o sistema de drenagem altamente saturado.

O chefe da Igreja Ortodoxa da Geórgia, Patriarca Ilia II, afirmou que a inundação foi uma punição para o jardim zoológico, construído pelos ex-governantes comunistas do país. "Eles ordenaram que todas as cruzes e os sinos das igrejas fossem derretidos e o dinheiro usado para construir o jardim zoológico", disse. "Lamentamos muito que georgianos tenham morrido, para que fosse construído um jardim zoológico à custa de igrejas destruídas." #Natureza